Incentivo a atentado

Bolsonaro vê ‘recado’ no veto de Lula a carro blindado a que tem direito

Ex-presidente quer reforçar segurança após os planos para matar Moro

acessibilidade:
Bolsonaro se reuniu nesta quinta-feira, 30, com parlamentares do PL na sede do partido, em Brasília. Foto: Reprodução/Jovem Pan

De volta ao Brasil após 89 dias nos Estados Unidos, Jair Bolsonaro (PL) criticou o governo Lula por retirar os carros blindados aos quais ele tinha direito. Para ele, o governo “está dando um recado”, disse ele, convencido e que a atitude é um incentivo ao cometimento de atentado contra sua vida.

“Até segunda-feira, eu tinha direito a dois carros blindados. Agora, você pode falar, tem amparo na lei ou não tem? Não tá definido. Na minha campanha, tinha 40 policiais federais comigo e o Cabo Daciolo tinha dois. Por quê? Eu tinha o maior risco de sofrer um atentado, como aconteceu, mesmo com todos esses policiais federais. Agora é a mesma coisa. A gente vê acontecendo essa questão do PCC planejando e fica preocupado. Eu não tenho peito de aço. Vou tentar buscar um carro blindado para mim”, disse Bolsonaro, relembrando o atentado nas eleições de 2018.

A fala de Bolsonaro aconteceu na sede do Partido Liberal na manhã desta quinta-feira, 30. O conteúdo do vídeo foi divulgado pelo site da rádio Jovem Pan.

“Não é uma atitude racional por parte desse governo que está ai. Nunca persegui ex-presidente nenhum. Tudo que foi pedido nós concedemos e fomos até além em alguma coisa. Agora, comigo, pela volta anuncia ‘não tem mais carro blindado para você’. Está dando um recado, só posso entender isso ai”, afirmou Bolsonaro.

O ex-presidente quer reforçar a sua segurança após os planos descobertos contra o senador Sergio Moro (União Brasil-PR).

Em entrevista à Jovem Pan, após a reunião no PL, Bolsonaro afirmou que não quer que o Brasil afunde para que seja visto como “salvador da pátria”.

“Quem faz a oposição são os parlamentares. Chego na condição de uma pessoa mais velha, experiente, que vai fazer expediente no partido, servir de consulta para quem assim o desejar. Também vou dar minhas sugestões, ter uma linha direta com a liderança do partido na Câmara e no Senado. Nós não somos oposição, somos pró-Brasil. Queremos que o Brasil vá para frente. Não queremos que o Brasil afunde para aparecermos como salvador da pátria. Há uma preocupação muito grande com o destino do nosso país, em especial no tocante a economia”, disse Bolsonaro.

O ex-presidente disse mais cedo que a atual legislatura no Congresso Nacional está melhor que a anterior e por isso não vão permitir que o governo Lula faça “o que bem entender com o destino da nossa nação”. Afirmou ainda que o petista está “por pouco tempo no poder”.

Reportar Erro