Coluna Cláudio Humberto




Senado se aproveita do luto para gozar folga

Apesar de todas as regalias e privilégios, como salários até 15 vezes maiores que o mercado privado, o Senado não perde a oportunidade de levar vantagem em tudo. Até no momento em que seu presidente, Davi Alcolumbre, decreta luto para marcar as 100.000 mortes por coronavírus, ao contrário do que ocorre no Poder Executivo, por exemplo, todos ficaram dispensados do trabalho, mesmo em home office. Uma beleza.

A pedido da Lava Jato, PGR já compartilhou dados

A força-tarefa da Lava Jato se recusa a ceder suas informações à própria chefia, na Procuradoria Geral da República (PGR), mas não faz muito tempo solicitou e obteve o compartilhamento do sistema usado pela Odebrecht para pagamento de propina (“operações estruturadas”), que estavam sob custódia da repartição chefiada por Augusto Aras, conforme previa o acordo de leniência negociado com a empreiteira baiana.

PEC no lixo

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) retirou sua proposta de emenda que suspendia o Teto de Gastos por dois anos. Ele concluiu que a medida, agora, poderia levar o País à “irresponsabilidade fiscal”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Poder sem Pudor

Geddel é mais embaixo


Durante o governo FHC, o líder do PMDB, Geddel Vieira Lima (BA), ia viajar ao exterior, certa vez, quando o então presidenciável tucano José Serra lhe telefonou cobrando: “Geddel, você vai viajar? Mas amanhã temos uma votação importantíssima, da CPMF, e você é um voto.” Geddel não gostou. Curto e grosso, fulminou: “Olha, Serra, vamos deixar claro uma coisa. Eu não sou ‘um voto’ coisa nenhuma, somos cem votos. Sou o líder. E a bancada vai votar com o governo.” Geddel era na ocasião um dos maiores entusiastas da candidatura Serra, mas a partir dessa conversa, era assaltado frequentemente pela tentação de trair o pré-candidato.

Continuar lendo

Frase do Dia

+ Cláudio Humberto

Senado se aproveita do luto para gozar folga

Apesar de todas as regalias e privilégios, como salários até 15 vezes maiores que o mercado privado, o Senado não perde a oportunidade de levar vantagem em tudo. Até no momento em que seu presidente, Davi Alcolumbre, decreta luto para marcar as 100.000 mortes por coronavírus, ao contrário do que ocorre no Poder Executivo, por exemplo, todos ficaram dispensados do trabalho, mesmo em home office. Uma beleza.

A pedido da Lava Jato, PGR já compartilhou dados

A força-tarefa da Lava Jato se recusa a ceder suas informações à própria chefia, na Procuradoria Geral da República (PGR), mas não faz muito tempo solicitou e obteve o compartilhamento do sistema usado pela Odebrecht para pagamento de propina (“operações estruturadas”), que estavam sob custódia da repartição chefiada por Augusto Aras, conforme previa o acordo de leniência negociado com a empreiteira baiana.



Poder sem Pudor

Geddel é mais embaixo


Durante o governo FHC, o líder do PMDB, Geddel Vieira Lima (BA), ia viajar ao exterior, certa vez, quando o então presidenciável tucano José Serra lhe telefonou cobrando: “Geddel, você vai viajar? Mas amanhã temos uma votação importantíssima, da CPMF, e você é um voto.” Geddel não gostou. Curto e grosso, fulminou: “Olha, Serra, vamos deixar claro uma coisa. Eu não sou ‘um voto’ coisa nenhuma, somos cem votos. Sou o líder. E a bancada vai votar com o governo.” Geddel era na ocasião um dos maiores entusiastas da candidatura Serra, mas a partir dessa conversa, era assaltado frequentemente pela tentação de trair o pré-candidato.

Continuar lendo

Frase do Dia

+ Cláudio Humberto