Mais Lidas

Cúpula do clima

Meta do Brasil para reduzir gases em 37% até 2025 é mais ousada que a de 28% de Biden

As metas são definidas a partir do ano-base de 2005 a serem alcançadas até 2025

acessibilidade:
Bolsonaro afirma que país investe em biocombustível como opção sustentável. Foto: Reprodução/transmissão

Durante seu discurso nesta quinta-feira (22) na Cúpula do Clima, promovida pelo governo dos Estados Unidos, o o residente Jair Bolsonaro apresentou uma meta de redução na emissão de gases mais ousada do que a promessa de diminuição apresentada pelo anfitrião do evento, o presidente Joe Biden.

As metas de redução na emissão de gases são definidas a partir do ano-base de 2005 e para ser alcançado num prazo de 20 anos, isto é em 2025. Citando o Compromisso Nacional Determinado, durante sua fala,  Biden prometeu reduzir a emissão de gases em 28%, até 2025, enquanto Bolsonaro anunciou o compromisso brasileiro de reduzir essas emissões em 37% nesse prazo e até 40% até o final da década. Reduzir em 37%, até 2025, as emissões de gases de efeito estufa registradas em 2005, é um dos compromissos do Acordo de Paris firmado por 195 países.

O presidente brasileiro também se comprometeu cm o fim do desmatamento ilegal até o ano de 2030.

Líderes de 40 nações participam da Cúpula de Líderes sobre o Clima, além de dirigentes de organismos multilaterais como as Nações Unidas e a União Europeia.

Bolsonaro também reafirmou que o Brasil está aberto à cooperação internacional e que o país é responsável por menos de 3% das emissões globais.

“Com espírito de responsabilidade coletiva, convido [demais nações] a nos apoiar nessa missão. Contem com o Brasil”, diz Bolsonaro. Como meta, o presidente afirma que o governo reúne esforços para combater o desmatamento ilegal no país até 2030.

Já o presidente da China, Xi Jinping, garante que o cuidado com o meio ambiente caminha junto à expansão industrial. “Proteger o ambiente é aumentar a produtividade. Precisamos estar comprometidos com montanhas, rios, florestas. Precisamos obedecer a agenda de 2030, países desenvolvidos precisam fazer esforços concretos. A China vai continuar priorizando a preservação”, diz o líder que aceitou o convite de Biden na véspera do evento.

Anunciadas ontem (21), a União Europeia promete o encerramento de emissão de gases poluentes até 2050. O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, afirmou em discurso que o país também assina a meta. “Teremos o desafio da emissão zero até 2050. O Japão vai continuar seus esforços para cortar emissões, vamos definir uma meta ambiciosa para economia mais limpa, acelerar medidas concretas para chegar a essas metas”.

Angela Merkel, premiê alemã, reafirma o compromisso. “A União Europeia vai ser neutra em emissões em 2050, e queremos ter 55% a menos emissões até 2030 comparado a 1990”. A dirigente também informa que a Alemanha já reduziu em 40% as emissões no comparativo com 1999.

Vladimir Putin informou que o governo russo desenvolve um projeto capaz de reduzir em 100% a produção de carbono até 2025 em toda a região utilizada como teste.

Bolsonaro discursa e afirma que produção de biocombustíveis está na agenda brasileira de ações ambientais e que o Brasil é responsável por somente 2,7% das emissões globais de gases causadores do efeito estufa. O presidente garante que o Brasil está aberto à cooperação internacional e que os interesses devem ser amplos, incluindo as comunidades históricas brasileiras e os indígenas.

 

Matéria em atualização