Mais Lidas

Traição no governo

Mourão cumpre palavra e demite sem demora o assessor que conspirava contra Bolsonaro

Assessor de Mourão procurou chefe de gabinete de deputado para "articular" o impeachment de Bolsonaro

acessibilidade:
Gweneral Hamilton Mourão, vice-presidente da República - Foto: Marcos Correa/PR.

Após prometer que iria “exonerar brevemente”, o vice-presidente Hamilton Mourão demitiu sem demora o chefe de sua assessoria parlamentar Ricardo Roesch Morato Filho, que procurou o chefe de gabinete de um deputado para conspirar em favor do impeachment do presidente Jair Bolsonaro. O ato foi publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (29).

A troca de mensagens foi divulgada no site Antagonista e, nela, o assessor da Vice-Presidência da República oferece a possibilidade de o deputado ser recebido por Mourão para tratar do afastamento de Bolsonaro do cargo. O chefe de gabinete corta a conversa, alegando que seu chefe, o deputado, não a aprovaria.

O diálogo divulgado é o seguinte:

– Tudo bem irmão?
– Fala Ricardo, tudo excelente!
– Quando deputado quiser agendar com Mourão só avisar.
– Opa! Obrigado. Possivelmente ele vai querer sim.
– Muito trabalho aí?
– Sempre tem.
– Precisamos tomar um café mais reservadamente.
– Bora ué.
– Eu tenho conversado com os assessores de deputados mais próximos é bom sempre estarmos preparados.
– Putz, preparados para que?
– Nada demais articulação normal mesmo.
– Sabe que Mourão dividiu a ala militar.
– Antes, Heleno dominava agora estão divididos – capitão está errando muito na pandemia. General Mourão é mais preparado e político. Você sabe disso.
– Cara – não posso ter esse tipo de conversa – chefe não iria gostar.
– Mas vamos nos falando.
– Relaxa.

O general Mourão afirmou que a conversa é autêntica e condenou a iniciativa conspiratória do seu assessor Ricardo Roesch Morato Filho. <Também confirmou que ele será exonerado “brevemente”.

“A conversa houve”, afirmou Mourão. “É algo que me deixou extremamente — vamos dizer assim — chateado porque o único patrimônio que eu tenho é a minha honra. E a minha honra está ligada à lealdade. São valores que eu não abro mão. Posso algumas vezes discordar de algumas coisas do presidente Bolsonaro, mas jamais vou trabalhar contra ele. E esse meu assessor avançou um sinal totalmente fora do foco, fora daquilo que são as minhas orientações. Como consequência, ele será exonerado brevemente”.

O site não informou a identidade do chefe de gabinete e nem a do parlamentar para quem ele trabalha.

Reportar Erro