Mais Lidas

Portas abertas

Mesa da Câmara dos Deputados abre caminho para o ‘voto de assessor’

Na prática, metodologia de votação definida pela Câmara abre as portas para o voto 'terceirizado'

acessibilidade:
Mesa Diretora da Câmara dos Deputados. Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Trocando em miúdos, a longa lista de resoluções na reunião da mesa diretora da Câmara, nesta quinta-feira (4), deixou claro que nas votações realmente importantes serão confiáveis para os deputados apenas a urna e a cédula de papel. Já outras deliberações “menos relevantes” podem ser votadas remotamente. Mas, na vida como ela é, a maioria dos parlamentares passa a senha para assessores de confiança, que votam pelos legisladores, e estes permanecem no conforto do home-office. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Na prática, é assim: o parlamentar instrui seu preposto: sempre a favor do Executivo se for governista ou sempre contra, caso seja de oposição.

Temendo envolvimento em escândalos, com o rastreamento de voto, assessores acabarão compartilhando a senha com colegas do gabinete.

Com a permanência de suas excelências no conforto da base, sua senha eletrônica será de domínio também dos escritórios políticos nos estados.

Reportar Erro