Mais Lidas

Teste da Vez

Renault melhora motorização do Captur, mas deveria ter ido além

Testamos a versão topo de linha do SUV, que recebeu um banho de tecnologia, mas insuficiente para justificar o alto preço pedido

acessibilidade:
Renault Captur Iconic
Renault melhora motorização do Captur, mas deveria ter ido além. Fotos: Geison Guedes/DP.

Carro nunca foi algo barato no Brasil, mas nos últimos tempos os preços estão cada vez mais altos. Com a crise gerada pela pandemia do coronavírus, o setor automotivo nacional se viu em uma situação difícil, primeiro pelo fechamento das fábricas por causa das medidas sanitárias, depois com a falta de componentes que assola o mundo inteiro. 

Com isso, os preços, que já eram altos, vem subindo cada vez mais e sem perspectivas de queda. Mas como sempre, mesmo em um momento de valores salgados, algumas marcas acabam indo além. Uma delas é a Renault, com o novo Captur. 

O SUV compacto ganhou a atualização de meio de vida em julho e chegou custando alto. Mas passados apenas três meses do lançamento, o preço da versão topo de linha, a Iconic, nosso “Teste da Vez”, já teve uma atualização. Agora, o modelo parte de impressionantes R$ 140.690, R$ 2 mil a mais que no lançamento. 

Mas quando o assunto é carro, nem sempre só o preço justifica, o que ele oferece pode acabar “fundamentando” o alto valor investido. Um dos pontos que a Renault melhorou no Captur foi a motorização. Agora equipado com um propulsor turbo, o utilitário evoluiu bem neste aspecto. Ele também recebe novas tecnologias que colocamos à prova. 

Discretas

Renault Captur Iconic

Por dentro, mudanças pontuais no design.

Um grande porém do Captur, desde o seu lançamento, é que o modelo brasileiro não é alinhado visualmente com o francês, mas sim com a versão russa do SUV. Para o facelift, a marca manteve a padronização com o país do leste europeu. 

Como ele não segue o padrão francês, que conta com um visual ainda mais arrojado e elegante, o estilo do brasileiro foi levemente alterado. As mudanças focaram basicamente a dianteira, o para-choque foi reformulado e está mais robusto. O conjunto óptico foi levemente redesenhado. Na traseira, nenhuma mudança. 

Renault Captur Iconic

A topo de linha tem interior em duas cores, com marrom predominante.

Por dentro, as alterações também foram poucas, ou quase nenhuma. Basicamente focaram a tela da central multimídia que agora é de oito polegadas, com uma nova moldura. O volante e o console central foram levemente redesenhados. A topo de linha, versão na qual testamos, ganhou acabamento em dois tons em marrom e preto. 

As partes em marrom passam a ser com material macio ao toque, o que eleva um pouco a qualidade da cabine. Além disso, as peças seguem muito bem encaixadas, sem qualquer tipo de rebarba. O espaço interno continua o mesmo, nem tão grande como no Duster, mas sem ser tão apertado também, levando quatro adultos com conforto. O porta-malas tem bons 473 litros.

Maiores poréns

Renault Captur Iconic

O ultrapassado ar-condicionado não foi alterado.

O Captur recebeu um “banho” de tecnologia, mas poderia — deveria — ter ido além. Um ponto que deveria ter melhorado, tanto na questão do visual quanto da lista de equipamentos, é o ar-condicionado. O sistema continua o mesmo, com um design ultrapassado e sem ser digital, como já é no Duster. Além disso, falta saída de ar para o banco traseiro. 

A lista de equipamentos melhorou. Na parte da segurança, a Iconic conta com quatro airbags, sensores de estacionamento, crepuscular, de chuva e de ponto cego, controles de tração e estabilidade, sistema de câmeras 360º, luz de circulação diurna e faróis full LED e assistente de partida em rampa.

Renault Captur Iconic

São duas portas USB extras para a traseira, mas falta a saída de ar.

Na parte da comodidade, ele vem com a central multimídia, o ar-condicionado automático mas que não é digital, duas portas USB para a traseira, monitoramento de pressão dos pneus, piloto automático, chave tipo cartão sensorial para abertura das portas e partida do motor e sistema Start&Stop. 

Mas por ser um veículo que supera os R$ 140 mil, o Captur deveria contar com mais itens, seja de segurança ou de comodidade. Além do ar-condicionado digital, um teto solar seria bem-vindo, assim como ajustes elétricos nos bancos, auxiliar — ou ao menos um alerta — de frenagem, carregador sem fio, mais dois airbags, assistente de permanência em faixa e até mesmo um piloto automático adaptativo.

Ponto alto

Renault Captur Iconic

O motor é a grande estrela do renovado Captur.

Dentre as novidades do Captur, o conjunto mecânico é, sem dúvidas, a melhor. Se até então o SUV sofria com a falta de força do motor 1.6, agora, com a novíssima caixa 1.3 turbo ele tem fôlego de sobra. Além disso, a transmissão automática CVT recalibrada surpreende positivamente. O único deslize do conjunto são os freios, a disco apenas na dianteira, a traseira utiliza o sistema de tambor. 

O casamento do câmbio com o motor é impressionante. Os 170 cavalos, quando abastecido com etanol, ou 162 quando com gasolina, e o alto torque de 27,5kgfm com ambos os combustíveis, trabalham muito bem com a transmissão, que nem de longe lembra as CVTs clássicas. 

Renault Captur Iconic

A direção do SUV está mais divertida e segura.

Primeiro que o isolamento acústico trabalha bem para não repassar ruídos excessivos para a cabine. Segundo, as respostas são rápidas, algo raro em caixas CVTs, ela atende bem aos comandos do acelerador. A capacidade do câmbio é tão grande, que chega a “levantar suspeitas” se realmente é uma transmissão continuamente variável. 

Dessa forma, todas as manobras são feitas com extrema facilidade e segurança. A cada pisada no acelerador, o carro “instiga” o motorista a acelerar ainda mais, mostrando que o motor trabalha de forma vigorosa. Ultrapassagens e retomadas são feitas sem nenhum esforço.

Renault Captur Iconic

O câmbio, apesar de CVT, trabalha muito bem.

Se antes ele era manco, com o motor 1.6, agora ele se torna um dos modelos mais espertos da categoria. O propulsor trabalha muito bem e ficou impressionantemente bem encaixado com a transmissão. A direção elétrica, outra novidade, otimiza ainda mais a condução do SUV, deixando o volante firme em altas e leve em baixas velocidades. 

Na questão do consumo, durante nosso teste, ele ficou com média de 10,3km/l, o número pode não ser bom, mas é justificável. Como ele “instiga” a acelerar, acaba gastando um pouco mais, ainda assim é bem melhor que os dados anteriores e basta maneira no pé que o gasto será melhor. 

A opinião do Diário Motor

Renault Captur Iconic

Renault Captur Iconic.

Como praticamente todo veículo zero quilômetro à venda no Brasil, o Captur Iconic exagera no valor pedido. Custando R$ 140.690, podendo chegar a R$ 143.890 de acordo com a pintura, como a da unidade que testamos, ele é um dos mais caros entre os SUVs compactos. Pelo menos, agora o conjunto mecânico está a altura do visual, que sempre foi agradável. 

O propulsor 1.3 turbo é, de longe, o grande astro do utilitário, com fôlego de sobra, ele anda muito bem. Outro aspecto positivo é a transmissão automática, que nem parece uma caixa CVT. O maior deslize é a lista de equipamentos, que é boa, mas deveria ser melhor. Vale o teste drive com possível compra! Nota: 7,5.

Ficha técnica

Renault Captur Iconic

Motor: 1.3 turbo

Potência máxima: 170/162cv 

Torque máximo: 27,5kgfm 

Transmissão: automática do tipo CVT 

Direção: elétrica

Suspensão: independente na dianteira e barra estabilizadora na traseira

Freios: a disco na dianteira e tambor na traseira 

Porta-malas: 437 litros

Dimensões (A x L x C x EE): 1.619 x 1.813 x 4.379 x 2.673mm 

Preço: R$ 140.690

Renault Captur Iconic
Renault melhora motorização do Captur, mas deveria ter ido além. Fotos: Geison Guedes/DP.
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Renault Captur Iconic
Economista Raul Veloso.
Presidente Jair Bolsonaro saúda as pessoas que os esperavam em Toritama, nesta quinta-feira (21) - Foto: Isac Nóbrega.
Vereador Carlinhos da Barreira é preso por esquema de agiotagem e lavagem de dinheiro. Foto: Reprodução
Deputado federal Hugo Motta (Republicanos-PB) - Foto: Cleia Viana/Câmara.