Mais Lidas

Top 25

Escolhemos as 25 motos mais legais disponíveis no mercado brasileiro, confira

De scooters a hiperesportivas, tem modelos de todos os preços, formatos e gostos

acessibilidade:
As 25 motocicletas mais legais a venda no Brasil.

O mercado brasileiro de motocicleta conta com excelentes representantes. As principais marcas do mundo vendem seus modelos por aqui. O leque de opções é gigantesco. Há motos para todos os gostos, estilos e bolsos, das pequenas cities e seus preços super em conta, as impressionantes hiperesportivas de milhares de reais. 

De forma totalmente criteriosa (ao nosso simples gosto), escolhemos os 25 modelos mais legais que estão disponíveis para compra no Brasil. Enquanto a pandemia do coronavírus não passa, e consequentemente o isolamento continua, curta a nossa seleção. Ah, não tem classificação, separamos apenas por marcas. 

Honda

Nossa primeira escolha na marca que mais vende no país é um modelo para lá de diferente. A X-ADV é um super scooter off-road de 750 cilindradas que faz qualquer modelo urbano babar. O porte avantajado do modelo combina com o preço, salgados R$ 57.056. O estilo é tão agressivo que a Honda chama a scooter de SUV de duas rodas. Os destaques, chave inteligente, faróis full LED, freios ABS, transmissão automática DCT e controle de torque.

Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.
Honda X-ADV.

Outra com apelo aventureiro, mas bem mais leve que a X-ADV, é a CB 500X, chamada de porta de entrada para alta cilindrada pela própria Honda. A trail tem estilo off-road, com boa empunhadura e acaba de ser renovada, o preço, para variar, poderia ser melhor. A 500X sai por não menos salgados R$ 28.900. Entre os destaques, painel de instrumentos digital blackout, embreagem deslizante, iluminação full LED, ABS e suspensão ajustável.  

Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.
Honda CB 500X 2020.

Se a X-ADV é um SUV em duas rodas, a Gold Wing Tour é quase um motorhome. A gigante japonesa é praticamente uma casa em duas rodas, além de ser o modelo mais caro da Honda no Brasil, impressionantes R$ 162.812. Tem tudo que uma touring precisa e um pouco mais, como aquecimento, suspensão eletrônica, sistema de som, chave inteligente, modos de condução, airbag, 110 litros de armazenamento e o poderoso motor de 126cv.

Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.
Honda Gold Wing Tour.

Yamaha

Outra japonesa e outra scooter, essa muito mais recente, a XMAX. O novo modelo urbano da Yamaha foi lançado este ano e esteve presente no último Salão Duas Rodas. Com um poderoso motor (para uma scooter), um 250cc de 22,8cv, ela parte de R$ 21.990. Os destaques são: compartimento capaz de levar até dois capacetes, chave inteligente, ABS, iluminação em LED, controle de tração e suspensão reforçada.

XMax 250.
XMax 250.
XMax 250.
XMax 250.
XMax 250.
Yamaha XMax 250. Fotos: Geison Guedes.
XMax 250.
XMax 250.
XMax 250.

Uma das poucas motocicletas que conseguem fazer frente a Honda no Brasil, a MT-03 é líder de vendas entre as nakeds no país. Partindo de R$ 22.590, ela é o meio termo entre a Twister 250 e a CB 500F. Equipada com motor de 321cc que gera bons 42 cavalos, a MT-03 conta com painel multifuncional, freios ABS e luz de posição e lanternas em LED.

 

Yamaha MT-03.
Yamaha MT-03.
Yamaha MT-03.
Yamaha MT-03.
Yamaha MT-03.
Yamaha MT-03.

Mais uma aventureira para a nossa lista, essa uma big trail, a Super Ténéré 1200 e seu poderoso motor de 112cv. O preço é compatível com a alta capacidade off-road, mas para uma 1200cc, até que não é tão salgado: R$ 66.650. A motocicleta vem com aquecimento de manopla, lanternas e piscas em LED, controle de tração, ABS, painel de instrumentos digital e suspensão dianteira invertida com controle eletrônico.   

Yamaha Super Ténéré 1200
Yamaha Super Ténéré 1200
Yamaha Super Ténéré 1200
Yamaha Super Ténéré 1200
Yamaha Super Ténéré 1200
Yamaha Super Ténéré 1200

BMW Motorrad

Essa é para poucos, mas poucos mesmo, afinal, quem tem R$ 550 mil para dar em uma motocicleta? A HP4 Race é o segundo modelo mais caro a venda no país. Com quadro em fibra de carbono, a alemã é totalmente voltada para as pistas. Tudo impressiona na moto, mas o motor é um caso à parte. Equipada com um quatro tempos de 999cc e surreais 215 cavalos, a moto tem uma relação peso/potência de absurdos 0,680kg por cavalo.

BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.
BMW Motorrad HP4 Race.

Uma aventureira com jeitão de esportiva, essa é a R 1250 GS Adventure. Como os carros da marca, todas as motocicletas tem apelo esportivo e com as trail não é diferente, sendo a maior delas a com motor de 1250cc e excelentes 136cv. O preço condiz com o estilo: R$ 99.950. O lado off-road está bem caracterizado no visual da moto. Ela conta com uma opção de cores iguais da HP, para elevar ainda mais o lado sport.

BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.
BMW Motorrad R 1200 GS.

A opção de entrada da alemã parte de salgados R$ 25.250. A G 310 GS tem apelo aventureiro e visual ousado, inspirados nas irmãs maiores. O motor é um monocilíndrico de 313cc e 34cv. Entre os destaques do modelo, freios ABS, lanterna em LED, painel de instrumentos digital e amortecedor traseiro com ajuste de pré-carga. 

BMW Motorrad G 310 GS.
BMW Motorrad G 310 GS.
BMW Motorrad G 310 GS.
BMW Motorrad G 310 GS.
BMW Motorrad G 310 GS.
BMW Motorrad G 310 GS.
BMW Motorrad G 310 GS.

Ducati

Como uma boa italiana, o design é um dos fortes da Ducati. Ele pode ser visto em uma das motocicletas mais bonitas do nosso mercado, a impressionante XDiavel. A cruiser conta com um estilo próprio e é uma excelente opção para quem procura uma motocicleta com apelo esportivo, mas com uma pegada menos agressiva. O preço é compatível com o estilo da XDiavel, que parte de salgados R$ 89.500. De destaque: iluminação full LED, controle de tração, modos de condução, suspensão ajustável e freios Brembo. 

Ducati XDiavel.
Ducati convoca recall de XDiavel e XDiavel S. Foto: Ducati.
Ducati XDiavel.
Ducati XDiavel.
Ducati XDiavel.
Ducati XDiavel.
Ducati XDiavel.
Ducati XDiavel.
Ducati XDiavel.

Além de um dos modelos mais bonitos, a Ducati tem a motocicleta mais cara do país — e com folga. A Panigale Seperleggera V4 e seus insanos R$ 700 mil é praticamente duas em uma. A carenagem em fibra de carbono pode ser trocada para diminuir ainda mais a relação peso/potência (que já é de excelentes 0,650kg/cv) para poder andar em pistas fechadas. Com isso, ela pode rodar tanto na cidade, quanto no autódromo, sem perder capacidade esportiva. 

Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4. Fotos: Ducati.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.
Ducati Panigale Superleggera V4.

A Monster 1200 S pode não ter a mesma elegância da XDiavel, mas conta com uma proposta parecida, apelo esportivo sem necessariamente ser uma esportiva. O fortissimo motor é o mesmo da cruiser, de 1.198cc que gera ótimos 152cv. O preço é tão forte quanto, partindo de R$ 65.900. Destaque para controles de tração e de elevação de roda, painel de instrumentos com tela de TFT e assento ajustável.   

Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.
Ducati Monster 1200 S.

Triumph 

A primeira clássica da nossa lista é a Bonneville Bobber Black, a custom conta com desenho clássico, além do famoso motor que leva o nome da linha, o Bonneville de 1200cc e 77cv. Posicionada como modelo intermediário da marca no Brasil, ela parte de R$ 49.990. Entre os destaques, controle de tração desligável, assento único flutuável com base em alumínio, acelerador eletrônico, modos de pilotagem e iluminação em LED. 

Triumph Bonneville Bobber Black.
Triumph Bonneville Bobber Black.
Triumph Bonneville Bobber Black.
Triumph Bonneville Bobber Black.
Triumph Bonneville Bobber Black.
Triumph Bonneville Bobber Black.
Triumph Bonneville Bobber Black.
Triumph Bonneville Bobber Black.

Outra clássica, a Scrambler 1200, conta com um visual nada ortodoxo, graças à saída de escape duplo. A custom de estilo off-road parte de R$ 55.900, conta com o clássico motor Bonneville 1200, mas que gera 90cv. Ela vem com modos de condução, garfos dianteiros invertidos de curso longo, painel de instrumentos totalmente digital, guidão ajustável, ABS, iluminação em LED, piloto automático, imobilizador e monitoramento de pressão dos pneus.

Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.
Triumph Scrambler 1200.

O foguete inglês e seu impressionante motor de 2500cc, 167cv e 22,1kgfm de torque, essa é a novíssima Rocket 3. Apresentada no último Salão Duas Rodas, tecnicamente, a custom ainda não está a venda no Brasil, ela chega este ano por aqui. Mas mesmo assim, faz parte da lista, porque será o grande astro da inglesa no nosso mercado, que é o segundo maior do mundo da marca. 

Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.
Triumph Rocket 3.

Harley Davidson 

A clássica das clássicas. A Harley é uma daquelas marcas que foi além de uma simples montadora, virou um estilo de vida. Apesar de fugir um pouco do estilo da americana, a Iron 883 é a porta de entrada da marca. Como modelo inicial, ela é a Harley Davidson mais barata no Brasil, partindo de R$ 39.990. A sportster foge do estilo cromado, com uma pegada dark, onde o preto é o grande destaque. 

Harley Davidson Fat Bob 114.
Harley Davidson Fat Bob 114.
Harley Davidson Fat Bob 114.
Harley Davidson Fat Bob 114.
Harley Davidson Fat Bob 114.
Harley Davidson Fat Bob 114.
Harley Davidson Fat Bob 114.
Harley Davidson Fat Bob 114.

Poucos modelos expiram tanto o estilo clássico da marca quanto a Deluxe. Com bastante cromo, a softail remete às motocicletas de filmes históricos e, nas palavras das própria Harley, é um espetáculo para as ruas. Misturando modernidade com tradicional, a Deluxe conta com iluminação em LED mas com visual retrô e parte de R$ 74.800. O motor é o clássico Milwaukee-Eight 107 de 1750cc, com escapamento duplo curto. 

Harley Davidson Deluxe.
Harley Davidson Deluxe.
Harley Davidson Deluxe.
Harley Davidson Deluxe.
Harley Davidson Deluxe.
Harley Davidson Deluxe.
Harley Davidson Deluxe.

Quando falamos de Harley, uma boa lembrança sempre são as touring, e poucas exprimem esse sentimento como a Road Glide, principalmente na versão Especial (R$ 100.900). Voltada para as estradas, ela conta com o poderoso Milwaukee 114 de 1.868cc e impressionantes 16,6kgfm de torque. Além do forte motor, a americana se destaque pelos freios Brembo, sistema de pilotagem defensiva, alforges estendidos, suspensão responsiva e sistema de infotainment avançado com GPS. 

Model Year 2019 GAP Photography
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.
Harley Davidson Road Glide.

Suzuki 

Terceiro scooter da nossa lista. Mas como os outros, o Burgman não é um simples modelo para andar na cidade. Se o X-ADV da Honda tem como foco o off-road, o maxi scooter da Suzuki foca o luxo. O motor de 638cc gera ótimos 55cv, mas a marca pede um preço alto por isso: R$ 55.893. A transmissão automática conta com três modos de condução. Destaque ainda para a grande capacidade de 50 litros abaixo do assento.  

Suzuki Burgman 650.
Suzuki Burgman 650.
Suzuki Burgman 650.
Suzuki Burgman 650.
Suzuki Burgman 650.
Suzuki Burgman 650.
Suzuki Burgman 650.

Entre as clássicas esportivas, uma ainda se destaca, a Hayabusa. Sonho de consumo de 10 entre 10 amantes de velocidade, a lendária japonesa conta com design inconfundível. Partindo de R$ 65.850, é a mais barata da categoria, na faixa de potência. O poderoso motor de 1350cc gera insanos 197 cavalos. Destaque ainda para freios ABS de alto desempenho da Brembo e modos de pilotagem. 

Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.
As 25 motocicletas mais legais a venda no Brasil.
Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.
Suzuki Hayabusa.

Kawasaki 

Uma verdadeira esportiva de entrada. A Ninja 400 leva o DNA da linha de alto desempenho da japonesa, mas com um motor de baixa cilindrada, de 399cc que gera bons 48cv. Carenada como as irmãs maiores, a Ninjinha tem visual compacto, mas agressivo. Além disso, a pequena esportiva é uma das mais baratas da nossa lista, partindo de R$ 24.990. Ela ainda conta com embreagem deslizante e painel de instrumentos multifuncional. 

Kawasaki Ninja 400.
Kawasaki Ninja 400.
Kawasaki Ninja 400.
Kawasaki Ninja 400.
Kawasaki Ninja 400.
Kawasaki Ninja 400.

Um dos modelos com visual mais diferente da nossa lista, a Z900RS Café, é uma naked com estilo café racer clássico. Ela lembra bem as esportivas japonesas dos anos 1980. O motor é um 950cc de 109cv e preço bem interessante, partindo de R$ 49.990. Entre os destaques, silenciador de alta qualidade, iluminação em LED, controle de tração e painel de instrumentos com display multifuncional. 

Kawasaki Z900RS Café.
Kawasaki Z900RS Café.
Kawasaki Z900RS Café.
Kawasaki Z900RS Café.
Kawasaki Z900RS Café.
Kawasaki Z900RS Café.
Kawasaki Ninja 400.

Ao falar da Kawasaki, não tem como não selecionar a mais famosa de todas, a Ninja 1000. A clássica superesportiva japonesa conta com motor de 1.043cc que gera excelentes 142cv. Ela é também uma das “mil” mais baratas do mercado, partindo de R$ 53.990. Além do visual que caracterizou o modelo, a Ninja vem com faróis em LED, proteção contra o vento, embreagem assistida, modos de pilotagem e freios de alta precisão.  

Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.
Kawasaki Ninja 1000.

Royal Enfield

Uma das marcas mais antigas do mundo, é uma das mais novas no Brasil. A inglesa com mais de 100 de história desembarcou no Brasil em 2017 e conta com motocicletas de visual clássico, com foco na Classic 500, quem lembra modelos do início do século passado. A monocilíndrica parte de R$ 22.400 e o motor de 499cc gera 27cv.

Royal Enfield Classic 500 Battle Green.
Royal Enfield Classic 500.
Royal Enfield Classic 500.
Royal Enfield Classic 500.

Se a Classic 500 lembra modelos do início do século passado, a Continental GT remete as motocicletas da década de 1960. Junto com a Interceptor, ela foi apresentada no último Salão Duas Rodas e reinaugura os motores de dois cilindros da inglesa. No caso da GT, um 650cc de 47cv. No melhor estilo café racer, a Continental parte de R$ 25.990 e conta com banco bump-stop, guidão clip-on retrô, freios a disco Brembo e pneus esportivos.

Royal Enfield Continental GT 650cc.
Royal Enfield Continental GT 650cc.
Royal Enfield Continental GT 650cc. Fotos: Geison Guedes/DP
Royal Enfield Continental GT.

Reportar Erro