Mais Lidas

Bairros destruídos

Prefeitura de Maceió cobra da Braskem revisão de projeto de mobilidade após desastre

Petroquímica apresentou plano de urbanismo contra deslizamento de barreiras no Mutange

acessibilidade:
Cenário de destruição no bairro do Pinheiro, atingido por desastre da Braskem em Maceió (AL). Foto: Ascom Arquidiocese de Maceió/Arquivo

A Prefeitura de Maceió cobrou, na manhã desta quarta-feira (27), a atualização dos projetos de mobilidade urbana apresentados por uma empresa contratada pela petroquímica Braskem, para corrigir os problemas causados pelo desastre geológico que afundou o solo nos bairros do Pinheiro, Mutange, Bebedouro, Bom Parto e Farol. A revisão deve levar em consideração um maior prazo de planejamento do crescimento do município.

Nos projetos, apresentados de forma remota pelo engenheiro João Recena, há três soluções que poderiam ser aplicadas para sanar a interdição da Avenida Major Cícero de Góes Monteiro, no bairro do Mutange. Ainda assim, avaliam os técnicos do Município, esses estudos poderiam sobrecarregar a Avenida Fernandes Lima, principal corredor de trânsito e transporte público da capital, e precisam levar em consideração os demais projetos de planejamento.

Para o secretário adjunto de Planejamento Urbano de Maceió, Tácio Rodrigues, apesar das fases sugeridas pelo projeto da Braskem, existem outras questões referentes a mobilidade urbana que precisam ser discutidas, o que será feito em uma próxima reunião.

Outra definição é que o grupo técnico contratado pela Braskem para atender à demanda da Prefeitura de Maceió deverá ter reuniões com os técnicos do município para que as considerações sobre o planejamento municipal sejam levadas em consideração nessa atualização.

Desastre geológico causado pela Braskem em Maceió suspendeu operação do VLT. Foto: Reprodução Cícero Albuquerque/Acta/Arquivo

Urbanismo

Outro ponto da reunião de foi sobre soluções para as áreas de encosta dos bairros afetados, em especial para a região do Mutange, de maior criticidade, motivo pelo qual o trecho já está isolado.

No projeto apresentado pela empresa há a previsão da criação de um ângulo maior na barreira da região e o replantio de espécies nativas da mata atlântica, o que evita que o excesso de água se acumule na região, o que deve fortalecer a região e evitar novos deslizamentos de terra como os causados pela chuva.

Representaram a prefeitura o secretário de Governo, Francisco Sales; o coordenador do Gabinete de Gestão Integrada para Adoção de Medidas de Enfrentamento aos Impactos do Afundamento dos Bairros (GGI dos Bairros), Ronnie Mota; o secretário adjunto da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente (Sedet), Tácio Rodrigues; secretário adjunto de Meio Ambiente, Ismar Macário; e o Nemer Ibrahim, secretário Municipal de Infraestrutura e Urbanização.

Os secretários reafirmaram que o planejamento é necessário, mas que há soluções emergenciais de curto prazo que deverão ser implementadas com rapidez para minimizar os problemas já causados, tanto sociais, quanto urbanísticos. (Com informações da Secom Maceió)