Abraçando o autoritarismo

Ciro: Brasil voltou a se alinhar ao atraso de ditaduras

Senador que chefiou Casa Civil do governo Bolsonaro ironiza slogan de Lula sobre novo momento do Brasil, mas elogia Getúlio

acessibilidade:
Senador pelo Piauí e presidente do Partido Progressistas (PP), Ciro Nogueira. (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado).

O slogan do governo do presidente Lula (PT), “O Brasil Voltou”, foi alvo de ironias do senador Ciro Nogueira (PP-PI), nesta segunda-feira (17), após uma série de declarações do petista em sua agenda internacional de visita à China. Para o ex-ministro da Casa Civil do governo de Jair Bolsonaro (PL), o lema do governo de Lula representaria mesmo um retrocesso para o Brasil que “voltou para trás” [sic], em diversos aspectos.

“O Brasil voltou! Voltou a se alinhar com o atraso das ditaduras. Voltou as costas para seu principal aliado nas Américas. Voltou a inchar ministérios. Voltou à contabilidade criativa. Voltou a desfilar com o MST até pelo mundo! Voltou a colocar a ideologia antes da meritocracia. O Brasil voltou para trás [sic]”, ironizou Ciro Nogueira, nas redes sociais.

A fala do senador complementa comentários que fez ontem, sobre o que classificou como “diplomacia do ódio” que atribui ao petista, em referência ao alinhamento do governo brasileiro com a autoritária China, maior inimiga dos Estados Unidos. Lula ainda afirmou que a guerra causada pela invasão da Rússia à Ucrânia seria culpa também do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que reage com apoio dos americanos à incursão mortal do presidente russo Vladimir Putin, que busca de ampliar território para seu país.

Ditador como exemplo

Antes de sugerir, também hoje, que o presidente petista eleito democraticamente se inspirasse no ex-presidente e ditador brasileiro Getúlio Vargas, o ex-ministro de Bolsonaro considerou que fazer oposição a aliados históricos do Brasil não seria política nem diplomacia. Mas, sim, agir contra a nação e contra o povo brasileiro. E ponderou para que o discurso do ódio presente nos cem primeiros dias do governo de Lula na política interna, não transborde para além das fronteiras do Brasil.

“O grande presidente do Brasil Getúlio Vargas, durante a 2ª Guerra Mundial que dividiu o mundo, não atacou os Estados Unidos ou elogiou os Nazistas em público. Foi prudente. Nada falou. Só agiu ao conquistar grandes benefícios para o país. Lula deveria se inspirar em Getúlio”, escreveu o senador Ciro, que já foi aliado de Lula.

Ciro também alfinetou os fatos de Lula ter aumentado o número de ministérios, ter cortado gastos com INSS através de maquiagem fiscal, além de ter levado em sua comitiva à China o líder do Movimento Sem Terra (MST), João Pedro Stédile.

Reportar Erro