Maconha e cocaína

CNJ abre investigação contra juiz que soltou dupla presa com 420kg de droga

Preso liberado era considerado foragido desde 2016

acessibilidade:
Sede do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Foto: Gil Ferreira/ Agência CNJ
(Foto: Gil Ferreira/ Agência CNJ)

O Conselho Nacional de Justiça vai abrir investigação para apurar a conduta do juiz federal Guilherme Michellazzo Bueno, que soltou dois traficantes presos com 420kg de maconha e cocaína em Porto Esperidião (360 km de Cuiabá-MT).

Os criminosos foram presos no último sábado (6), mas já no domingo, durante plantão judiciário na 1ª Vara Federal Cível e Criminal de Cáceres, foram liberados por decisão do magistrado.

A decisão do juiz repercutiu na imprensa local, já que um dos liberados era até considerado foragido desde 2016.

Nesta quarta (10), o corregedor nacional de Justiça, Luis Felipe Salomão, decidiu pela abertura da investigação contra o juiz.

“Há necessidade de se investigar, na esfera administrativa, se há alguma irregularidade na atuação do juiz federal ao macular o previsto na Constituição Federal, na Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) e no regramento traçado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em especial envolvendo a adequação da sua atuação ao regramento pertinente ao plantão e ao juiz natural”, manifestou o corregedor na decisão pela abertura do pedido de providências.

Reportar Erro