Mais Lidas

Alagoas

Sargento da PM recebe coração de jovem atropelado em Maceió

O cirurgião José Wanderley Neto realiza mais um transplante em Maceió

acessibilidade:

Outro coração bate desde a noite de ontem (01.09) e madrugada de hoje no peito do sargento Adeildo José da Silva, 47, da Polícia Militar de Alagoas. Ele é o mais novo transplantado da equipe do cirurgião cardíaco José Wanderley Neto, do Instituto de Doenças do Coração (IDC) da Santa Casa de Maceió.

O doador foi um estudante que residia no município de União dos Palmares, que teve morte encefálica declarada em conseqüência de um acidente de trânsito ? atropelamento.

O sargento Adeildo é natural da cidade de Novo Lino, reside em Maceió, é pai de dois filhos e tem um neto. Ele sofria de miocardiopatia dilatada decorrente de valvulopatia e já havia passado por outras três cirurgias: uma ponte de safena e as outras duas para trocar as válvulas mitral e aórtica, que foram substituídas por válvulas artificiais.

Em novembro do ano passado o militar entrou para triagem para transplante e em abril  passou a integrar a lista de espera por um outro coração. Seu quadro clínico se agravou dia 28 do mês passado e precisou ser internado, em estado grave, por descompensação cardíaca. Sua salvação seria uma doação, que acabou por ocorrer nesta segunda-feira.

A cirurgia de transplante, comandada por José Wanderley, começou às 22h30 e terminou às 4h desta segunda-feira (1º). ?Foi um sucesso. Deu tudo certo e agora ele está se recuperando na UTI cardíaca. Seu quadro evolui muito bem?, disse o cirurgião.

Combate ao crime? O caso de Adeildo José da Silva pode ser considerado singular para quem sofre de miocardiopatia, doença que costuma ser incapacitante e afastar os pacientes da atividade laborativa.

A miocardiopatia dilatada provoca aumento do coração, o que exige do órgão maior esforço para bombear o sangue. O reflexo disso é que o paciente se cansa com facilidade, a ponto de não conseguir executar tarefas comuns, como subir escadas, correr etc. O risco de uma parada cardíaca nessas circunstâncias é sempre iminente.

Segundo depoimento de sua filha Taciane Tenório, ?apesar da doença, em nenhum momento ele aceitou se afastar de suas atividades na Polícia Militar. Mesmo doente e tendo passado por uma cirurgia de ponte de safena em janeiro (deste ano), ele continuou trabalhando e até fez o curso para promoção a primeiro sargento?.

– Sempre disse que queria continuar nas ruas, combatendo o crime. E antes do transplante, falou para a gente que quando se recuperar vai voltar ao trabalho! ? acrescentou ela.

A dedicação do sargento Adeildon foi reconhecida pelo comando da PM, que no último mês de julho lhe condecorou com o diploma de Destaque por Desempenho no combate à criminalidade.

Este foi o terceiro transplante cardíaco deste ano realizado por José Wanderley Neto e sua equipe. Os pacientes anteriores foram Fabiano dos Santos Oliveira, 29, em maio, e Fabiano dos Santos Oliveira, 49, em maio. Ambos já retomaram suas vidas normais. (Extraído da página do Instituto de Doenças do Coração)