Porteiro, só ateu

acessibilidade:

No primeiro dia de trabalho como prefeito do Recife, nos anos 60, Augusto Lucena reuniu a assessoria. Tinha pressa. Mas a reunião era interrompida a todo instante por pessoas que queriam cumprimentar o novo prefeito. Ele pediu à secretária que mandasse o porteiro informar que ele não se encontrava. Momentos depois, ela voltou para dizer que não seria possível:

– O porteiro é protestante e disse que não pode mentir…

Segundo relatam jornalistas da época, Lucena não contou conversa:

– Então a senhora me arranje um porteiro ateu!