Ditadura Militar

Ministério da Justiça concede anistia post mortem para Honestino Guimarães

acessibilidade:

A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça decidiu conceder nesta sexta-feira (20) anistia post mortem para o ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Honestino Guimarães. O evento aconteceu na Universidade de Brasília, local em que Honestino estudava e organizava seus atos pela democracia. Ele foi um dos perseguidos pela pela ditadura militar e desapareceu no dia 10 de outubro de 1972.

Honestino foi preso seis vezes no Rio de Janeiro antes de desaparecer. Agora, sua família receberá do governo federal uma carta de desculpas, onde abre mão de qualquer reparação financeira. “Hoje o Brasil pede desculpas oficiais à família de Honestino Guimarães por todas as perseguições que ele sofreu que culminaram no seu desaparecimento e isso é um gesto de reconhecimento do legítimo direito dele de resistir contra a ditadura militar, de lutar pelas liberdades, e ao mesmo tempo uma homenagem a todos os estudantes que foram perseguidos políticos”, disse o presidente da Comissão de Anistia e secretário nacional de Justiça, Paulo Abrão.