Mais Lidas

Eleição será indireta

Meirelles já é citado como 'presidente ideal' para fazer transição

Cármen Lúcia e Jobim também são citados para o lugar de Temer

acessibilidade:

O atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já aparece como um dos nomes mais citados nas conversas políticas de Brasília, na noite desta quarta-feira (17), como o “candidato ideal” a presidente da República, neste momento. No caso de renúncia de Michel Temer, o substituto será eleito indiretamente pelo Congresso para cumprir o restante do mandato, até a posse do presidente a ser eleito pelo voto direto em 2018, e Meirelles é citado como nome ideal para conduzir o País durante esse período de transição.

Político experiente, respeitado no Brasil e internacionalmente, Meirelles seria o nome ideal para dar sequência às reformas necessárias à recuperação da economia. Ele jamais conseguiu exercer um mandato desde que deixou a presidência mundial do Banco de Boston para ser eleito deputado federal pelo PSDB-GO, quando renunciou antes da posse para assumir a presidência do Banco Central do governo Lula.

Outros nomes citados por parlamentares, nesta noite, foram os da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, e de Nelson Jobim, ex-presidente da mesma Corte e ex-ministro de vários governos, além de parlamentares que são reconhecidos pela ficha limpa, como o senador Raimundo Lira (PMDB-PB), que foi presidente da Comissão Especial do Impeachment, quando seu equilíbrio e ponderação foram colocados à prova.

A avaliação generalizada dos políticos é que não restará a Michel Temer outra alternativa senão a renúncia, se forem mesmo confirmadas as denúncias contra ele e aparecerem as gravações mencionadas pelo jornal O Globo, contidas na delação do empresário Joesley Batista e diretores do Grupo JBS.

A solução prevista na Constituição, para o caso de renúncia de Temer, será a convocação de eleição indireta para o presidente para cumprir o restante do mandato, até 31 de dezembro de 2018.