Mais Lidas

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Ex-deputado despeja mãe do filho um dia após o parto, em Alagoas

Mulher deixou bebê em hospital para tentar evitar o despejo

acessibilidade:

Um dia após dar à luz um filho do ex-deputado federal Cristiano Matheus (PMDB-AL), sua ex-mulher Mayane Souza arrancou do braço a agulha do soro, rasgou a pulseira de internamento, quebrou o resguardo da cesariana e deixou o bebê na maternidade da Santa Casa de Maceió, para tentar impedir que fosse despejada de uma cobertura da área mais nobre de Maceió, na noite da terça-feira (27). No apartamento da Ponta Verde, flagrou o ex-prefeito de Marechal Deodoro-AL desmontando o berço de seu filho e a discussão resultou na troca de acusações de agressões.

Enquanto sua ex-mulher denunciou à Polícia Civil ter sido empurrada e ameaçada em diversas ocasiões, o ex-parlamentar também registrou boletim de ocorrência, acusando sua ex de agredi-lo e de exigir R$ 7 mil de pensão. Um terceiro boletim de ocorrência chegou a ser feito pela Santa Casa, para denunciar o abandono momentâneo do recém-nascido, que o conselho tutelar local não considerou ser abandono de incapaz, porque a paciente teria deixado o bebê com uma tia.

“Eu fui tentar entrar no quarto da criança, ele me empurrou. Eu caí, na parede, encostei, depois caí. Coisas absurdas, assim… Fiquei muito tempo calada, mas cheguei no meu limite”, disse Mayane ao Diário do Poder.

O ex-prefeito encerrou seu mandato, em 2016, afastado pela Justiça Federal de Alagoas, acusado de um dano de R$ 32,2 milhões aos cofres da prefeitura da primeira capital do Estado de Alagoas. Enquanto que Mayane foi candidata a vereadora em 2016, pelo Partido da Mulher Brasileira (PMB), mas não se elegeu, obtendo a 27ª melhor votação, em Marechal, em meio ao escândalo.

Nas imagens gravadas por ela, Cristiano Matheus aparece ignorando os apelos da publicitária, que tenta impedir que o ex-deputado desmonte o berço do bebê.

Assista:

'INTRIGA DE OPOSIÇÃO'

Cristiano Mateus enviou ao Diário do Poder imagens de partes de seu corpo com marcas de arranhões e relatou que ele foi agredido e teria pedido reforço da Polícia Militar ao secretário de Segurança do Estado de Alagoas, coronel Lima Júnior, que teria enviado uma guarnição para dar cobertura ao despejo de sua ex-mulher. O ex-deputado garante não ter agredido Mayane e alega que a ex estaria sendo alvo de adversários políticos.

Cristiano diz que Mayane é incentivada por seus rivais“Liguei para o secretário de segurança e pedi que a polícia estivesse presente nas negociações. Fiz corpo de delito, sim. Adversário político começou a investir nela. Mandou advogado, entendeu. Cacá Rodas, que é um adversário político, pegou um advogado e mandou ontem para representar e estar ao lado dela. O presidente da Câmara, André Bocão, e o prefeito de Marechal Deodoro [Claudio Filho, o Cacau] também. Virou uma história política”, disse Cristiano Matheus ao Diário do Poder.

O ex-deputado também afirmou que representará sua ex por abandono de menor incapaz. “Em menos de 24 horas ela deixou a criança na maternidade sem ninguém da família, nem da minha, nem da dela. O médico, doutor Cléber, chegou a ligar para ela dizendo que não se responsabilizava pelo que acontecesse com ela ou com a criança. E disse que ligaria para o conselho tutelar”, denunciou Cristiano Matheus.

O advogado da ex-mulher do político relatou ao portal Gazetaweb que Mayane teria sido insultada com palavras de baixo calão e teria lhe atirado um vaso, que não teria lhe atingido. Cristiano Matheus nega.

Após registrar ocorrência, Mayane retornou ao encontro do filho, na mesma noite de terça. E o bebê recebeu alta na tarde dessa quarta, quando a publicitária foi à Delegacia da Mulher, complementar a ocorrência.

PEDIU PROTEÇÃO

A publicitária pede à Justiça a concessão de medida protetiva, e afirmou que não teria sido a primeira agressão de que ela foi alvo. E disse que logo após Cristiano Matheus sair de casa, em fevereiro, quando retornou para pegar as coisas dele, houve agressão pior, porque ela estava grávida, com cerca de quatro meses.

Mayane nega exigir R$ 7 mil de pensão e vê crueldade com filho“Na discussão [em fevereiro], ele empurrou… Empurra, segura e empurra… E dessa vez eu cheguei a cair no tapete. Ele fez um BO, porque, eu, para me defender dele, eu arranhei ele e bati no braço dele. Ele ficou com medo de eu fazer [um BO] contra ele. E, quando, ele me ameaçou não dar mais nada, dinheiro de feira nem nada, não fiz um contra ele, justamente por conta da exposição. Agora, eu esperava que ele pelo menos que ele esperasse terminar o resguardo da criança. Porque, quer queira, quer não, é filho dele. Ele até postou foto e tudo. E fez isso, né; com a pior crueldade do mundo”, disse Mayane.

Mayane Souza disse não ser verdade a suposta assistência que estaria recebendo de adversários políticos de seu ex-companheiro. E rebateu a acusação de abandono do bebê, de agressão ao ex-deputado e de exigir pensão de R$ 7 mil: “Mentira! Não arranhei ele nunca e jamais abandonei meu filho. Ele que abandonou que nem assistência deu durante a gravidez. Dele, tudo se espera”.

Quando questionada sobre o outro apartamento menor, para o qual o ex-deputado transferiu suas coisas, Mayane disse que não teria aceitado a mudança, porque não confiava na palavra do ex-deputado federal. “Ele alugou, por conta dele, um apartamento. Mas o que ele fala não se cumpre”, resumiu.

O empresário Cacá Rodas e o presidente da Câmara André Bocão (PSD) negaram estar incentivando e dando suporte jurídico a Mayane Souza. E trataram o caso como briga de casal, na qual não se envolveram.

O prefeito Cacau (PSD) publicou a seguinte nota:

“O prefeito Cláudio Filho nega tal acusação pelo simples fato de não conhecer a vítima, e por se tratar de uma situação familiar onde compete ao casal resolver. Além disso, sua preocupação no momento é  reconstruir o município de Marechal Deodoro, que está passando por momentos difíceis diante dos fenômenos naturais que vitimaram milhares de deodorenses. Por fim, ressalta que política se faz com responsabilidade e grandeza, que os palanques já foram desarmados e hoje o maior intuito é garantir um novo momento para população de Marechal".