Mais Lidas

Após 7 anos

Diretor-geral da OMC deixará o cargo em agosto por ‘decisão pessoal e familiar’

O diplomata brasileiro Roberto Azevedo está no segundo mandato à frente da OMC

acessibilidade:
Diretor da OMC, Roberto Azevêdo.

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, Roberto Carvalho de Azevêdo, anunciou na manhã desta quinta-feira (14) que vai deixar o cargo em 31 de agosto, cortando em um ano seu segundo mandato no organismo internacional. Azevêdo está à frente da OMC desde 1º de setembro de 2013.

Segundo o brasileiro, que também é embaixador do Ministério das Relações Exteriores, a decisão tomada após longas conversas é de antecipar sua saída da OMC, já que a constituição da organização prevê apenas dois mandatos de quatro anos na direção-geral. “É uma decisão pessoal e familiar”, explicou Azevêdo ao Diário do Poder.

A decisão pode permitir que a organização antecipe as mudanças que se farão necessárias após a pandemia do coronavírus, além daquelas que já estavam engatilhadas. A OMC vive um longo processo de mudança, anterior às turbulências com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

No entanto, desde o final do ano passado, após os EUA deixarem de nomear indicados ao órgão de apelação da OMC, na prática paralisando o andamento de recursos, a necessidade por mudanças mais significativas se fez ainda mais presente. Com isso, a próxima reunião ministerial já continha reformas na pauta. Mas em razão do surto mundial da Covid-19 todo o procedimento foi congelado, e a 12ª Conferência Ministerial da OMC, prevista para o início de junho em Astana (Nursultan), no Cazaquistão, acabou adiada.

A antecipação do fim do mandato de Azevêdo pode inclusive fazer com que a OMC inicie mais cedo o processo eleitoral do próximo ano, que vai escolher o novo diretor-geral que será o responsável por implementar as mudanças pretendidas pelos próximos anos.

Em seu pronunciamento, o diretor-geral explicou que a decisão não foi tomada de maneira leve: “Entre o período de isolamento e minha recente cirurgia no joelho, tive tempo a mais para refletir. E cheguei a esta decisão após longas conversar com minha família”.