Mais Lidas

Sem controle

Senadores visitarão Espírito Santo para acompanhar ações contra óleo

Desde agosto, mais de 400 localidades do litoral brasileiro, principalmente no Nordeste, foram atingidas pelas manchas de óleo

acessibilidade:
Onze praias já foram atingidas por manchas de petróleo no Espírito Santo. Foto: Marcos Rodrigues/Governo de Sergipe

A comissão temporária externa que acompanha as ações de enfrentamento às manchas de óleo no litoral brasileiro vai visitar o estado do Espírito Santo nesta quinta-feira (21) para avaliar a extensão dos danos ambientais, econômicos e sociais da chegada dos fragmentos da substância ao litoral capixaba. A diligência foi sugerida pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que preside o colegiado.

Desde agosto, mais de 400 localidades do litoral brasileiro, principalmente na região Nordeste, foram atingidas pelas manchas de óleo e 5 mil toneladas de resíduos já foram retiradas, grande parte graças ao trabalho voluntário. As manchas de petróleo cru chegaram ao Espírito Santo no início de novembro. Para Contarato, o governo federal tem promovido um desmonte na área ambiental e pouco tem agido para enfrentar o problema das manchas.

— Já foram 11 praias atingidas no estado do Espírito Santo. É lamentável que o governo federal continue com esse comportamento. Ontem o Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] divulgou que houve aumento de queimadas [na Amazônia]. Isso está diretamente ligado à falta de fiscalização. Isso não é discurso ideológico, são dados do próprio governo federal. O governo tem que ter uma postura muito mais proativa — criticou o senador.

Segundo Contarato, o governo federal pode responder por crime ambiental.

— Nas diligência que fizemos em Pernambuco e no Rio Grande do Norte, constatamos uma completa omissão do governo federal. Se não fosse o comportamento proativo e eficiente dos governos dos estados e das prefeituras, o dano poderia ter sido muito maior. Vamos apurar não só o crime ambiental, mas também o comportamento do governo federal ante sua omissão — garantiu o senador.

Rio Amazonas

Na reunião desta terça-feira (19), também foram aprovados dois requerimentos do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). O primeiro propõe a realização de uma visita ao estado do Amapá com o objetivo de discutir medidas preventivas contra uma possível chegada do óleo à foz do rio Amazonas e ao litoral amapaense.

O segundo requerimento pede que sejam acrescentadas ao plano de trabalho da comissão várias questões, por exemplo: motivos que levaram o governo a demorar a acionar o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional (PNC); explicações sobre a origem e responsáveis pelo derrame do óleo; e como estão sendo conduzidas as investigações.

Plano de Trabalho

Além dos requerimentos, a comissão aprovou o Plano de Trabalho do relator, senador Jean Paul Prates (PT-RN). O colegiado deve elaborar, com os governos locais e o governo federal, soluções para a situação e para evitar desastres futuros a partir de visitas aos locais atingidos, reuniões e debates com os envolvidos — que incluem órgãos federais, estaduais e municipais da região Nordeste, ONGs, universidades e centros de pesquisa —, além de possíveis estudos. O relatório final será apresentado até abril. (Agência Senado)

Vídeos Relacionados