Mais Lidas

Crise sem bombeiro

Presidente da ALE não atuará para recompor bancada pisoteada por Renan Filho

Marcelo Victor considera inadequado intrometer-se em pautas do Executivo

acessibilidade:
Governador de Alagoas Renan Filho e o presidente da ALE Marcelo Victor. Foto: Márcio Ferreira/Agência Alagoas

Pivô incidental da crise que abriu uma trincheira profunda entre o Legislativo e o Executivo, o presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), Marcelo Victor (SD-AL), disse que nunca sequer admitiu atuar junto ao governador Renan Filho (MDB) para recompor a base do governo, buscando favorecer ou não deputados com a distribuição de cargos em órgãos estaduais.

Apesar de afirmar que contribuirá com o andamento dos projetos relativos ao desenvolvimento de Alagoas, o presidente da ALE rejeita a missão de “bombeiro da crise” resultante da interferência de Renan Filho na eleição da Mesa do Legislativo, no momento em que uma estratégia de reação dura foi planejada pela maioria dos deputados apeados do governo em janeiro, retaliados com exonerações de indicados para cargos no Executivo, por negarem votar no tio do governador, Olavo Calheiros (MDB-AL), para presidir o parlamento alagoano.

“Nunca atuei nem sequer admiti a possibilidade de mover gestões com vista à recomposição de cargos em favor ou desfavor de quem quer que seja. Como presidente do Poder Legislativo, considero inadequado intrometer-me em pautas inerentes ao funcionamento de outro Poder do nosso Estado. O que eventualmente tem circulado por aí não passam de ilações, razão pela qual já lhe agradeço a oportunidade de expor aqui minha posição. Quanto à relação com o Executivo, o governador Renan Filho – com quem mantenho excelente relacionamento – sabe que moverei todas as gestões ao meu alcance para contribuir com o andamento dos projetos relativos ao desenvolvimento de Alagoas. Aqui estarei sempre primando pelo comando constitucional segundo o qual os poderes são harmônicos e independentes entre si”, respondeu Marcelo Victor, ao ser questionado pelo Diário do Poder.

A maioria dos deputados já estão prontos para desenterrar proposta de Emenda Constitucional para o orçamento impositivo e devem realizar já no próximo mês a reeleição antecipada do deputado estadual Marcelo Victor (SD-AL), para presidir a Mesa da ALE e enterrar os planos do chefe do Executivo de manter seu tio Olavo na linha de sucessão, para assumir o governo quando Renan Filho renunciar para disputar o Senado, no último ano de seu mandato.

Tal mobilização em resposta à retaliação do governador, se concretizada, abalará o projeto de poder dos Calheiros de tornar Alagoas uma “Renanlândia”, a partir de 2022, e a previsão de ter Renan Calheiros e Renan Filho senadores e Olavo Calheiros governador.

Na abertura dos trabalhos legislativos deste ano, em 19 de fevereiro, o presidente Marcelo Victor pediu vênia ao governador para dizer que está pronto para zelar pelo prestígio e o decoro do poder e pela liberdade e dignidade de seus membros, contra ataques internos ou externos. E as novas declarações do parlamentar indica que não houve recuo desta determinação.

Reportar Erro