Confiança na democracia

Lira: ‘Teremos eleições em 2022, 2024 e 2026. Sistema é confiável’

Presidente da Câmara descarta ruptura democrática caso seja rejeitado voto impresso

acessibilidade:
Presidente da Câmara Arthur Lira, de máscara, presidindo sessão.
Deputado Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), voltou a sinalizar nesta quarta-feira (28) a sua confiança na democracia brasileira, ao descartar chances de ruptura política, caso seja rejeitado o projeto que prevê instituir a impressão dos votos da urna eletrônica, como forma de ampliar a auditagem das eleições, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro. O deputado atestou que o sistema eleitoral brasileiro e a Justiça Eleitoral são confiáveis. E garantiu que haverá eleições no Brasil, tanto em 2022 como nos anos seguintes, independente do desfecho desta matéria.

“Vamos ter eleição em outubro do ano que vem, como vamos ter eleição em 24, como em 26, limpas e transparentes. Não vejo nenhuma dificuldade, em algum momento, você aumentar o rigor de auditagem nas urnas. Mas, eu sempre disse… Fui eleito já [em] oito mandatos, dois de vereador de Maceió, três de deputado estadual e três de deputado federal nesse sistema. Não há dúvida de que o sistema é confiável”, disse Lira, em entrevista à GloboNews.

O parlamentar alagoano pondera, entretanto, quanto à necessidade de uma parte da população e de parlamentares de discutirem esse assunto através da Câmara dos Deputados, “infelizmente ou felizmente”. E se nega a entrar nessa briga de dizer que o sistema eleitoral eletrônico não é confiável.

“O sistema é confiável. Mas, por confiável que seja, não vejo nenhum tipo de dificuldade de ele ter algumas regras de auditagem, para que se confirmem a realidade das urnas e se afastem as versões. Como sempre falo, o que atrapalha nosso país são as versões que são pulverizadas. Então, se essa versão existe, ela seria esclarecida com auditagem mínima nas urnas eleitorais, de uma maneira compreensível, factível. Mas, sempre ressaltando, confio na Justiça Eleitoral e no sistema por que fui eleito oito vezes e não tenho nenhuma crítica, a não ser de que aquilo que não é preocupante, aquilo que é correto, não tenha dúvida que pode ser verificado”, declarou o presidente da Câmara.

Questionado sobre as declarações de Jair Bolsonaro, que colocaram em dúvidas as realizações de eleições em 2022, causando tumulto e crise entre os poderes, Arthur Lira relatou o histórico de abalos vividos na jovem democracia brasileira. Mas garantiu não há chances de mudanças na configuração de seu sistema eleitoral, com eleições a cada dois anos, intercalando as escolhas municipais com as presidenciais e do Congresso Nacional e assembleias legislativas.

“Reafirmo que não há possibilidade no Brasil de nós termos outro sistema que não seja de eleições a cada dois anos, . O Brasil tem uma democracia jovem, que já foi muito abalada politicamente por muitos processos de inconstância política. Não há possibilidade de ruptura institucional, de qualquer risco à democracia. O Brasil é um país consistente, amadurecido, com todas as regras de independência para a imprensa, parlamentares, o Judiciário, como para o Executivo”, assegurou Arthur Lira.