Mais Lidas

R$ 33,7 mil para cada um

De olho na reeleição, Rodrigo Maia antecipou auxílio-mudança de deputados

Benefício que custa R$ 17 milhões à população foi pago em 28 de dezembro, enquanto pagamento deveria ocorrer em 31 de janeiro

acessibilidade:
Maia também liberou R$ 72 mil de auxílio a suplentes que assumem o cargo entre janeiro e fevereiro. Foto: Antonio Cruz/ABr

Candidato à reeleição da Presidência da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) já liberou aos parlamentares o pagamento do auxílio-mudança, que corresponde a um salário parlamentar – R$ 33,7 mil. O impacto nas contas da casa é de R$ 17 milhões. O benefício tradicionalmente é pago no último dia da legislatura, em 31 de janeiro, mas neste ano foi depositado em 28 de dezembro. Dos 513 deputados, 505 receberam o valor, e quatro deles abriram mão: Mara Gabrilli (PSDB-SP) e Major Olímpio (PSL-SP), eleitos senadores, Bohn Gass (PT-RS) e Heitor Schuch (PSB-RS).

Além do auxílio antecipado, a Câmara também desembolsou R$ 72 mil de auxílio a suplentes que assumem o cargo entre janeiro e fevereiro, quando não há atividades parlamentares. Os suplentes recebem ainda o valor da cota parlamentar, que varia de R$ 30,7 mil a R$ 45,6 mil dependendo do estado de origem.

A Câmara dos Deputados afirmou, por meio de nota, que os valores foram antecipados pois havia disponibilidade financeira -a Casa teria economizado ao longo de 2018. A Casa disse ainda que em 2019 haverá mais pressão orçamentária, como pagamento de direitos trabalhistas de secretários exonerados, o aumento salarial de servidores que ganham teto constitucional -acarretado pelo reajuste de ministros do STF e da ajuda de custo de novos parlamentares.

Nesta semana, Maia conseguiu o apoio do PSL – segunda maior bancada da Casa, que deve render ao menos 52 votos. Ele também conta com o apoio do PRB, PSC e PPS. O PT também planejava apoiar a candidatura do atual presidente, mas recuou após o anúncio de aliança com o PSL.

Reportar Erro