Mais Lidas

Protesto

Juiz absolve policial acusado de matar dois suspeitos negros

Para o juiz, o policial agiu de maneira razoável ao atirar

acessibilidade:

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://tnh1.ne10.uol.com.br/noticia/mundo/2015/05/23/323852/policial-de-ohio-acusado-de-matar-dois-suspeitos-negros-desarmados-e-absolvido ou as ferramentas oferecidas na página.Cerca de 150 manifestantes marcharam pelo centro de Cleveland, nos Estados Unidos, na noite deste sábado, em protesto contra à absolvição do policial Michael Brelo, 31, da acusação de matar a tiros dois suspeitos negros desarmados, em novembro de 2012.

Os manifestantes bloquearam temporariamente as ruas e entoaram cantos e slogans contra a polícia. O protesto passou pela multidão que saia de um jogo do Cleveland Indians contra o Cincinnati Reds, o que congestionou o tráfego de pedestres. O chefe da polícia local, Calvin Williams, disse que o protesto foi pacífico e que os manifestantes estavam exercendo seus direitos.

O juiz John O’Donnell disse que o policial Michael Brelo, de 31 anos, agiu de maneira razoável ao atirar nos dois suspeitos, tendo subido no capô do carro em que estavam e disparado através do para-brisa após o veículo ter sido cercado. Brelo também foi inocentado da acusação de agressão grave no mesmo caso.

O julgamento, iniciado em 6 de abril, ocorreu em meio a um clima de forte criticismo contra os agentes de segurança pública dos EUA, devido ao uso de força letal contra grupos minoritários. O caso foi examinado em seguida a uma série de mortes de homens negros desarmados em confrontos com policiais brancos, em vários Estados norte-americanos.

As duas pessoas mortas, Malissa Williams e Timothy Russell, eram negras, e Brelo, um ex-fuzileiro naval, é branco.

"Brelo atuava em condições difíceis até mesmo para policiais experientes imaginarem", disse O’Donnell ao ler o veredito.

"Ele estava em um lugar estranho, à noite, cercado por tiros, sirenes e luzes piscando. Brelo não atirou precipitadamente nem em uma pessoa que estivesse visivelmente desarmada, ou que não pudesse atropelá-lo. Ele não atirou em alguém que fugia correndo", acrescentou ele.

Um pequeno grupo de manifestantes se reuniu em frente ao tribunal de Cleveland para protestar contra o resultado do julgamento, enquanto policiais da tropa de choque monitoravam a situação. Houve uma forte reação contrária ao veredito em redes sociais.

Cinco outros supervisores da polícia foram indiciados no caso por abandono negligente do dever, e têm julgamento marcado para julho. Outros 64 policiais receberam sanções internas.

A prefeitura de Cleveland pagou 1,5 milhão de dólares a cada uma das famílias das vítimas para encerrar um processo por morte indevida.

A perseguição policial, que começou no centro de Cleveland após relatos de tiros provenientes do veículo em que o homem e a mulher se encontravam, se estendeu por várias cidades, com velocidades que chegaram a 145 km/h, e terminou após o disparo de 137 tiros por 13 policiais.

Russell foi atingido por 24 tiros e Malissa por 23. Nenhuma arma foi encontrada no carro ou ao longo do trajeto percorrido, e especialistas forenses testemunharam que o carro, fabricado em 1979, estava sujeito a produzir disparos pelo escapamento.