De volta

Eleito, Brasil volta a ocupar assento no Conselho de Segurança da ONU

País foi eleito pela 11ª vez para um assento não permanente no órgão mais alto da segurança coletiva internacional com 181 votos

acessibilidade:
Presidente Jair Bolsonaro na Assembleia da ONU. Foto: MRE
Presidente Jair Bolsonaro na Assembleia da ONU. Foto: MRE

O Brasil foi eleito para ocupar, no biênio 2022-2023, assento não permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Será a 11ª vez que o País integrará o mais importante órgão responsável pela segurança coletiva internacional.

Nas eleições ocorridas nesta sexta-feira (11), em Nova York, durante a 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o Brasil recebeu 181 votos. O resultado reflete o reconhecimento da histórica contribuição brasileira para a paz e a segurança internacionais, disse o Itamaraty.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, no Conselho de Segurança, o Brasil buscará traduzir em contribuições tangíveis a defesa da paz e da solução pacífica das controvérsias, dentre outros princípios inscritos na Constituição Federal de 1988 e na Carta das Nações Unidas. O País pretende, ainda, fortalecer as missões de paz da ONU e defender os mandatos que corroborem a interdependência entre segurança e desenvolvimento.

Para o Itamaraty, o Brasil estará em posição privilegiada para atestar seu compromisso com a reforma do CSNU, para resguardar a legitimidade da atuação das Nações Unidas diante dos múltiplos e complexos desafios enfrentados pela comunidade internacional.

Além do Brasil, também foram eleitos para o Conselho de Segurança Albânia, Emirados Árabes Unidos, Gabão e Gana.

Acnur

No fim do ano passado, o Brasil foi eleito para exercer a presidência do Conselho do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). Pela primeira vez, desde sua fundação, o Brasil ocupará a presidência do órgão de governança da agência