Mais Lidas

Mudança exige investimentos

Venda direta de etanol não traz baixa expressiva imediata, diz economista

Pesquisador da Ufal, Cícero Péricles fala sobre desafios até queda de preços do combustível nos postos

acessibilidade:
Economista Cícero Péricles é pesquisador e professor da Ufal. Foto: João Urtiga/ Arquivo pessoal

Duas semanas após o presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionar a Lei 14.292/2022, que permite a revenda varejista de gasolina e etanol hidratado fora do estabelecimento autorizado, o combalido setor sucroenergético e o consumidor que sofre com a inflação nas bombas de combustíveis terão que esperar um melhor contexto econômico para poder obter as vantagens do novo marco legal para o comércio do etanol. A conclusão é do economista Cícero Péricles, professor e pesquisador da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

“Pelo visto, não se pode esperar reduções expressivas de preços a partir da venda direta”, conclui Cícero Péricles, doutor em Economia pela Universidade de Córdoba (Espanha), nesta entrevista ao Diário do Poder sobre as consequências da lei que deu fim à obrigação dos postos de recorrer a atravessadores, as distribuidoras, para ter acesso ao etanol das usinas produtoras.

Cícero Péricles é autor dos livros Economia Popular: uma via de Modernização para Alagoas (8a edição, Edufal, 2019), Reestruturação produtiva do setor sucroalcooleiro (3a edição, Edufal, 2009) e Formação Histórica de Alagoas (5a edição, 2019). Com este repertório de informações robustecidas por dados do contexto atual, o economista não vislumbra grandes perspectivas de o setor sucroenergético garantir a infraestrutura necessária para a venda direta e, por consequência, garantir a queda dos preços que seguem sufocando consumidores brasileiros.

Confira a entrevista:

Diário do Poder – O setor sucroenergético já pode mensurar em números as consequências da liberação das vendas de etanol diretamente para postos?

Cícero Péricles – Como a aprovação do novo marco jurídico ainda é muito recente, ainda não se pode avaliar esse impacto. Essa operação exige das empresas uma série de investimentos e de adequações que levarão alguns meses para apesentar resultados. Por outro lado, na zona da mata nordestina o setor sucroalcooleiro está plena safra, que deverá se prolongar até o mês de março. Como é comum acontecer, no período da safra os preços do etanol se mantêm ou mesmo baixam um pouco, mas essa estabilidade ou queda não se devem a venda direta e sim a conjuntura marcada pela safra. Interessante é acompanhar as vendas do etanol depois de março, na entressafra nordestina.

Houve algum tipo de impacto nos negócios do setor? Como o senhor avalia esses impactos?

Se por um lado, a lei sancionada na primeira semana deste ano permite a venda direta pela usina, sem passar pela empresa distribuidora, por outro existem vários limites nessa operação. Primeiro é que a maioria das empresas produtoras de etanol não têm uma estrutura de logística para realizar essa distribuição e, reconhecidamente, a situação financeira das usinas nordestinas ainda é crítica, com grande parte das empresas em recuperação judicial; segundo é que os postos embandeirados, os que têm contrato exclusivo de compra de combustível com a distribuidora, terão que seguir comprando da distribuidora. Somente os postos que não têm contratos de exclusividade, os chamados de “bandeiras brancas” poderão fazer a comercialização direta das usinas. Há, também, incertezas jurídicas que vêm sendo debatidas desde a apresentação da Medida Provisória, em agosto do ano passado. A MP foi aprovada no Congresso, mas a lei foi sancionada com cortes pelo presidente da República.

Mesmo assim, essa alternativa seria vantajosa para as usinas e destilarias autônomas e consumidores de etanol nas regiões onde as empresas produtoras de etanol ficam próximas dos postos de combustíveis, como a maioria das destilarias da zona da mata nordestina, principalmente em Alagoas e Pernambuco.   

E para o consumidor e postos de combustíveis, já houve ganhos?

A venda direta de etanol hidratado pelas usinas ou destilarias autônomas foi, por mais de quatro anos, apontada como uma alternativa para fazer baixar o preço desse combustível nos postos. Essa alternativa criou uma enorme expectativa, mas, até agora, a repercussão nos preços do etanol hidratado ao consumidor tem sido muito baixa. No ano passado, para uma inflação geral de 10,6%, o etanol acumulou uma alta de 63,2% e a expectativa seria de que, mesmo com a venda direta, o preço do álcool poderia baixar alguns centavos. As notícias sobre preços que chegam dos estados produtores de etanol do Centro-Sul são as mesmas. Outro aspecto a ser observado é o aumento do barril de petróleo que, há um mês estava a 72 dólares e agora chega a 88 dólares. Isso significa a possibilidade de aumento da gasolina e, por tabela, do preço do etanol. Pelo visto, não se pode esperar reduções expressivas de preços a partir da venda direta.

Reportar Erro