Mais Lidas

Crise econômica

Dólar atinge R$ 5,32 pela primeira vez; Ibovespa amplia perdas

Moeda americana segue escalada de cotação em meio à pandemia do novo coronavírus no mundo

acessibilidade:
A sexta-feira foi turbulenta tanto no mercado interno quanto no externo. Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Nesta sexta-feira (3), a cotação do dólar opera em alta, batendo os R$ 5,30 pela primeira vez. Ás 12h56, estava cotado a R$ 5,31. Na máxima, o dólar atingiu R$ 5,3228, nova máxima histórica intradia.

Em 2020, o dólar já acumula alta de mais de 30% contra a moeda brasileira.

O Ibovespa também reflete o dado negativo e cai 6%, a 67 mil pontos.

No cenário do dia, a valorização do dólar reflete a aversão a risco do mercado, depois que o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos divulgou que 701 mil empregos foram cortados no mês passado, após criação de 275 mil postos em fevereiro, fazendo a taxa de desemprego do país disparar de 3,5% para 4,4%.

Este é um dos primeiros efeitos da pandemia de Covid-19 na economia americana. Estimativas do Goldman Sachs apontam que o desemprego pode chegar a 15%.

No Brasil, o coronavírus divide as atenções com o presidente Jair Bolsonaro, que segue em negação sobre a real dimensão da crise atual. No foco local fica a votação na Câmara dos Deputados da PEC do Orçamento de Guerra, que permite a separação do orçamento e dos gastos realizados para o combate à covid-19 do orçamento geral da União.

Após ter pedido união entre os poderes na terça-feira, Bolsonaro voltou a atacar governadores e a pedir pelo fim do isolamento social. E mirou também no ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, dizendo que ambos não estão se “bicando” há algum tempo, que nenhum ministro seu é “indemissível”, mas que não pretende demiti-lo “no meio da guerra”. Falou ainda que o ministro extrapolou e que ele não tem humildade.

O presidente declarou também que desconhece hospitais lotados no Brasil por conta da covid-19 e que a doença “não é tudo isso que estão pintando”. Mandetta respondeu em entrevista que, se os hospitais não estão lotados, é porque o isolamento social está funcionando e que “quem tem mandato popular fala. Quem não tem, como eu, trabalha”. Bolsonaro ameaçou reabrir o comércio com uma “canetada”, se a partir da próxima semana “não começar a voltar o emprego, vou ter de tomar uma decisão”.

 

Reportar Erro