Mais Lidas

ANS na mira de CPI

Criação de CPI deverá enquadrar planos de saúde e ANS

Senadores questionam aumentos de 13,5% sob inflação de 2,9%

acessibilidade:
STJ vota taxatividade da lista de procedimentos da ANS pelos planos de saúde

Uma CPI do Senado vai investigar o intrigante relacionamento entre as poderosas empresas de plano de saúde e ANS, “agência reguladora” que muitos a confundem como uma entidade das empresas. Até agora, 27 senadores endossam a CPI, desconfiados da ANS, que autorizou reajuste de 13,5% nos planos individuais, quando a inflação anual foi 2,9%. O negócio é tão rentável que atrai gigantes mundiais do setor. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O aumento abusivo objetiva forçar os usuários a migrar para planos coletivos ou corporativos, cujos reajustes são feitos à revelia da ANS.

Dados da própria ANS mostram que as pessoas já não conseguem pagar: 2 milhões de usuários abandonaram os planos desde 2015.

O poder dos planos de saúde na ANS pode ser decorrente, segundo os senadores, do faturamento anual no Brasil: quase R$180 bilhões.

Será a ANS, e não os planos de saúde, que vai contestar a decisão da Justiça que limitou o reajuste em 6%, ainda assim o dobro da inflação.

Reportar Erro