Mais Lidas

Lava Jato irritou ex-ministro

Helder Barbalho é acusado de invadir casa, agredir e roubar celulares de eleitores

Jovem irritou candidato ao governo do Pará, ao filmar pergunta sobre a Lava Jato

acessibilidade:
Samuel Benassuli e sua mãe acabaram machucados e denunciam confusão com Helder Barbalho em caminhada. Foto: Divulgação/Redes sociais

O fotógrafo Samuel Benassuli Pinheiro, 25, acusou o candidato do MDB ao governo do Pará, Helder Barbalho, de invadir sua residência e roubar celulares com a ajuda de seguranças, na periferia de Belém (PA), durante um ato de campanha na última sexta (7). A atitude foi denunciada como uma reação violenta com o objetivo de impedir a publicação de um vídeo em que o jovem teria lhe perguntado sobre a Operação Lava Jato e o dinheiro da Sudam.

O jovem disse que queria zoar Helder Barbalho nas redes sociais fazendo uma pergunta ácida, e agora teme pela sua integridade, após envolver sua mãe de 55 anos na confusão da qual ambos saíram machucados pela ação direta do candidato. Samuel teve que sair de casa, no bairro da Marambaia, e desativar perfil no Facebook, depois de publicar um vídeo relatando o ato violento (assista ao final da matéria).

Laudos do Instituto Médico Legal do Pará atestaram agressões por ação contundente, na mão de Samuel e no braço de sua mãe, Maria Ieda, que registraram ocorrência policial afirmando terem sido agredidos pelo candidato e seus seguranças, que invadiram a residência em busca dos celulares, após o candidato ser perguntado: “Helder, como tu vais te livrar da Operação Lava Jato?” e “Como estava o dinheiro da Sudam?”.

Segundo os laudos e os depoimentos a que o Diário do Poder teve acesso, Samuel Benassuli disse que quis aproveitar a proximidade com o candidato para fazer o vídeo provocativo e jogar no stories do Facebook. Assessores de Helder intermediaram a aproximação do candidato até diante de sua casa, onde o emedebista atendeu um pedido da mãe do rapaz e tirou uma fotografia, os três juntos, usando o celular de Maria Ieda. Em seguida, o jovem ligou o seu celular, pediu para filmar fazendo pergunta ao candidato e causou a reação furiosa.

Ainda de acordo com o denunciante, enquanto fazia a pergunta, Helder aumentou o tom de voz, sobrepondo o tom em que era feito as perguntas, talvez para atrapalhar a captação do áudio. Em seguida, bateu no peito de Samuel e se despediu. Mas retornou quando a filmagem acabou, segurou o rapaz pelo braço e ordenou que os seguranças lhe tomassem os celulares.

A invasão

Os depoimentos narram que o jovem se desvencilhou e entrou em casa, com os dois celulares. “Vocês não vão fazer nada com meu filho!”, reagiu dona Maria Ieda, tentado impedir a entrada, à porta de casa. Mas ela afirma ter sido empurrada e espremida pelo candidato contra uma motocicleta estacionada dentro de sua casa, causando-lhe um hematoma, quando Helder Barbalho forçou a entrada na residência.

Em seguida, narra o denunciante, Helder Barbalho voltou a segurar Samuel pelo braço e, com ajuda dos dois seguranças, tomou-lhe primeiramente o celular que pertencia à dona Maria Ieda. E depois de o rapaz jogar o outro aparelho em direção à cozinha, os homens que a vítima denomina de “capangas” entraram ainda mais na residência e apanharam o segundo aparelho.

Após perder a disputa e os telefones, Samuel Benassuli seguiu o candidato, apelando aos seguranças que devolvessem o aparelho, para que ele apagasse o vídeo. Não sendo atendido e já sob o temor das ameaças e xingamentos por parte de apoiadores de Helder Barbalho, retornou para casa, quando pediu a ajuda de uma viatura policial que escoltava a o fim da carreata.

O denunciante narra que, já dentro da viatura, diante de casa, foi acusado por dois seguranças do candidato de tentar tumultuar o ato da campanha, confessando a reação contra o vídeo. Um dos seguranças tiraram fotos dele e de sua casa. E, no trajeto até a carreata, o vereador e candidato a deputado Joaquim Campos defendeu Helder, dizendo que o jovem não tinha direito de desrespeitá-lo.

Mas as reações mais ameaçadoras vieram das redes sociais, depois que Helder usou o celular de seu pai para publicar um vídeo de 17 minutos, narrando todo o episódio. Além de mensagens ameaçadoras que o chamavam de mentiroso e davam ultimatos para que retirasse o vídeo do ar, o endereço de sua residência começou a ser publicado.

As imagens das ameaças foram entregues à polícia e o jovem desativou o perfil do Facebook e bloqueou a linha. Mas o vídeo viralizou e o rapaz saiu temporariamente de casa, temendo por sua integridade.

O perfil de Samuel Benassuli no Facebook estava reativado, em um período da tarde desta terça, quando o Diário do Poder tentou contato com o denunciante. Mas voltou a ser desativado momentos depois.

A reportagem também fez contato com a assessoria da campanha de Helder Barbalho e aguarda seu posicionamento.

Assista ao relato de Samuel Benassuli sobre o episódio violento:

Reportar Erro