depoente no senado

Luana Araújo diz à CPI que tratamento precoce coloca Brasil na “vanguarda da estupidez”

A médica infectologista ocupou cargo em secretaria do Ministério da Saúde por 10 dias

acessibilidade:
Média Luana Araújo depõe à CPI da Pandemia. Infectologista ocupou cargo no MS por 10 dias. Foto: TV Senado/Reprodução

A médica infectologista Luana Araújo, que ocupou por dez dia o cargo de secretária extraordinária do Ministério da Saúde de Enfrentamento à Covid, depõe à CPI da Pandemia nesta quarta-feira (2). Ela critica o tratamento precoce da Covid com o uso de medicamentos conhecidos pelo ‘kit Covid’.

“Todos nós somos a favor de uma terapia precoce que exista. Quando ela não existe, ela não pode se tornar uma política de saúde pública. Essa é uma discussão delirante, anacrônica e contraproducente. Estamos na vanguarda da estupidez”, diz sobre a aplicação de cloroquina como tratamento.

O relator Renan Calheiros questionou se Luana sofreu ameaças pela indicação à função no Ministério da Saúde. A médica afirmou e disse que, “eu, como diversos infectologistas, desde o começo da pandemia, sofremos diversas ameaças”.

 

O depoimento da infectologista Luana Araújo é transmitido no canal da TV Senado, disponível aqui.