Mais Lidas

Opção errada

Risco de apagão e conta mais cara são frutos do investimento em termelétricas

Desde 2006 as termelétricas passaram de 13,5% para 24,5% da matriz brasileira, e hidrelétrica caiu de 84,1% para 61%

acessibilidade:
Complexo Termelétrico Parnaíba no Maranhão. Foto: Divulgação Eneva

O Brasil enfrenta o ano mais seco em quase um século, mas a falta de chuvas tem pouco a ver com os aumentos na conta de luz, o risco de racionamento ou até apagão no sistema elétrico.

Especialistas da apontam como principal fator para situação atual, o investimento em termelétricas. Segundo estudo da ABRAPCH, as térmicas passaram, entre 2006 e 2019, de 13,5% para 24,5% da matriz energética brasileira, confirmando o aumento do investimento nessa modalidade em detrimento das hidrelétricas, que respondiam por 84,1% em 2006 e caíram para 61% este ano. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Além da alta na capacidade instalada, as termelétricas recebem mesmo sem ser acionadas. São bilhões pagos só para ficarem de “sobreaviso”.

Entre 2013 e 2015, o governo Dilma investiu R$88,4 bilhões em fontes renováveis, mas despejou R$108,3 bilhões em fontes fósseis poluentes.

Entre os anos 2016 e 2018, o governo Temer mudou um pouco o cenário e investiu R$78,7 bilhões nas renováveis e R$76,3 bilhões em fósseis.

Jair Bolsonaro, o “demônio do meio ambiente”, segundo ONGs, investiu R$43,4 bilhões na geração de energia em 2019: 60% em fonte renovável