Mais Lidas

Saúde pública

Secretaria de Saúde orienta sobre prevenção de doenças

Diagnóstico precoce é importante para o sucesso do tratamento

acessibilidade:

Os profissionais de saúde recomendam que a adoção de hábitos alimentares saudáveis, exercícios físicos regulares e a realização de exames de rotina regularmente são essenciais para a prevenção de problemas de saúde e uma vida longa e saudável.

 

Por isso, é importante visitar um profissional de saúde regularmente, que escute e entenda a história do paciente, o que pode ser mais relevante do que a realização de exames complementares, segundo recomenda a médica geriatra Ivana Pita.

 

“A maioria das doenças, a exemplo de hipertensão e diabetes, pode ser evitada e tratada com sucesso se forem diagnosticadas precocemente”, disse a médica. Por isso, no caso dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), é necessário estar em sintonia com os profissionais do Programa Saúde da Família (PSF).

 

Isso porque, segundo Ivana Pita, eles estão preparados para realizar o trabalho de promoção e prevenção da saúde nas comunidades em que atuam. A médica lembrou que os profissionais que trabalham na Atenção Básica acompanham todas as fases da vida da infância à velhice.

 

Faixas Etárias

A médica explicou que cada idade possui preocupações próprias, que devem ser respeitadas pelos profissionais de saúde e também por seus familiares e responsáveis. “Existem exames específicos por idade, a exemplo do teste do pezinho e avaliações para o diagnostico de osteoporose que são mais usuais a partir dos 50 anos”, ressaltou.

 

A prevenção à saúde inclui principalmente uma mudança de estilo de vida, que inclui uma alimentação balanceada, prática de exercícios e baixos níveis de estresse. Ivana lembrou a importância da atuação de uma equipe multidisciplinar para a assistência completa do ser humano. “Nutricionistas, educadores físicos, psicólogos, enfermeiros e médicos atuam para a prevenção e tratamento de problemas de saúde e devem ser consultados regularmente”, ensinou.

 

Ivana  lembrou que muitas vezes uma simples orientação é necessária para a preservação da saúde e integridade física dos pacientes. Ela relatou que um folder produzido pela Sesau com dicas para que idosos evitem acidentes domésticos foi capaz de diminuir drasticamente os índices fraturas nessa faixa etária.

 

“Destacamos a importância de retirar tapetes de casas, do uso de calçado adequado e de móveis sem saliências pontudas, entre outras medidas de segurança, e com isso conseguimos diminuir, de acordo com dados do Sistema de Informação da Atenção Básica (Siab), uma redução de 70% nos índices de acidentes em Alagoas”, ressaltou.

 

Saúde na Escola

 

Outro ponto importante na prevenção e promoção da saúde é a atuação junto a crianças e adolescentes em idade escolar através do Programa Saúde na Escola (PSE). O PSE atua em parceria nas três esferas administrativas, municipal, estadual e federal, sempre com alunos da rede pública de ensino.

 

A assistente social Lúcia Brito, que coordena o programa em Alagoas, destacou que o programa leva para os alunos a conscientização e conhecimento para a manutenção de uma vida saudável. Lúcia explicou que mais do que ouvintes os estudantes são multiplicadores passando o que aprenderam “Os alunos atuam como multiplicadores dessa informação, levando para familiares e amigos todas as informações aprendidas, realizando assim uma mudança na vida de sua comunidade”, destacou Lúcia.

 

Aberta todos

 

De acordo com professor de educação física e coordenador do programa, Diogo Leão, a iniciativa é aberta para todas as idades precisando apenas de um atestado médico do interessado. “Após o atestado o cidadão deve se dirigir ao PAM Raquel Vasco localizado na Praça Central da cidade”, explicou.

 

O coordenador revelou que nos 5 anos de existência o programa Paripueira Saudável já realizou um impacto positivo na vida dos participantes.

Um dos exemplos é o da moradora do município, Benedita Gomes de 68 anos, que antes de entrar no projeto tinha altas taxas de glicose, hipertensão e dificuldade para se locomover. “Hoje eu readquiri minha independência e minhas taxas estão dentro do recomendado e são monitoradas constantemente”, destacou Benedita.

 

Outra participante ativa do projeto, Juvandite dos Santos, elogiou o projeto lembrando que a atividade física auxilia não apenas na saúde física, mas também no bem estar mental. “Além de cuidar da saúde, as aulas são um momento de lazer, onde fiz amizades que melhoram o meu estado de espirito e afastam a depressão”, testemunhou Juvandite.

 

O programa possui hoje 157 inscritos e é considerada uma iniciativa exitosa na promoção da saúde. Diogo Leão explicou que projetos como esse possuem um baixo custo para os cofres públicos e possuem um alto impacto na vida da comunidade. “Com investimento na prevenção, a gestão pública economiza recursos diminuindo os índices de problemas crônicos na população e ainda evoluindo na qualidade de vida e bem-estar de todos”, explicou o professor.