Mais Lidas

Jardel é 1º a cair

Renan Filho troca comando da pasta da Prevenção à Violência

Esvalda Bittencourt é indicada de Carimbão em troca 'técnica'

acessibilidade:

A esperada reforma administrativa para recompor as bases do governo de acordo com os resultados das eleições de outubro ainda se arrasta nos gabinetes do Palácio República dos Palmares. Mas a primeira troca será efetivada nesta sexta-feira (23), com a mudança de comando da Secretaria de Prevenção à Violência (Seprev), a partir da posse de Esvalda Bittencourt na vaga do ex-secretário Jardel Aderico.

Herança do governo de Teotonio Vilela Filho (PSDB), Aderico volta a deixar a pasta que comanda as unidades de internação de crianças e adolescentes infratores em um momento nesta área, a partir da prática de mais um provável crime no complexo, com a morte de um socioeducando de 17 anos, na terça-feira (20), vítima de arma de fogo em plena unidade de internação, local em que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) proíbe seu uso. Mas a mudança já era esperada antes da morte praticada por um dos monitores.

Jardel Aderico é pioneiro no comando da pasta criada em 2009 por sugestão do deputado federal Givaldo Carimbão (PHS) com o nome de Secretaria da Paz. E já caiu no governo anterior em contexto parecido, em 2013, quando foi alvo de mandado de prisão expedido pela Justiça, devido ao descumprimento de determinações para adequações do sistema de medidas socioeducativas ao que determina a lei.

Esvalda tem missão técnica (Reprodução TV Pajuçara)'MUDANÇA TÉCNICA'

Com a mudança, surgiram rumores de retaliação de Carimbão contra a Igreja Católica, cuja frente parlamentar é presidida pelo alagoano na Câmara dos Deputados. O suposto motivo, negado pelo parlamentar, seria sua derrota na disputa pela prefeitura da cidade sertaneja de Delmiro Gouveia para o Padre Eraldo Joaquim Cordeiro (PSD). “Isso não tem nada a ver. Lamento profundamente as cabeças férteis”, disse Carimbão à Gazeta de Alagoas.

Para ele tudo não passa de uma mudança técnica, segundo Carimbão, para dar à assistente social Esvalda Bittencourt a missão de fazer de algumas comunidades terapêuticas unidades prisionais do regime semiaberto, para receber presos dependentes químicos, detidos por crimes de baixa ofensividade, com o objetivo de obter a droga.

Esvalda atuava como Superintendente de Políticas sobre Drogas de Alagoas, ligada à Seprev.