medo da vacina

Jovens se vacinaram menos contra a covid por medo de reação, diz IBGE

De acordo com o instituto, para crianças e adolescentes, é possível que os pais ou responsáveis possam ter influenciado a não-vacinação

acessibilidade:
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou nesta sexta-feira (24) que jovens se vacinaram menos contra a covid por medo de reação.(Foto: Divulgação/Inas).

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou nesta sexta-feira (24) que 5,6% dos brasileiros com 5 anos ou mais não haviam se vacinado contra a covid-19 até o 1º trimestre de 2023, o que corresponde a cerca de 11,2 milhões de pessoas. 

Dentro da faixa etária dos 5 a 17 anos, a taxa sobe para 14,8%. O principal motivo para a não imunização foi medo de reação adversa ou da injeção. A categoria somou 39,4% das justificativas. 

Já dentro do grupo de pessoas com 18 anos ou mais, a taxa de não-vacinados até os primeiros meses do ano passado era 3,4%. Dentre eles, o principal motivo (36%) para não tomarem a vacina contra a doença foi falta de confiança ou por não acreditarem na vacina. 

O IBGE incluiu perguntas sobre a imunização contra a doença nos questionários aplicados pela Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do 1º trimestre de 2023. O universo retratado pela pesquisa abrange 200,5 milhões de brasileiros de 5 anos ou mais de idade. O questionário da pesquisa foi elaborado em parceria com o Ministério da Saúde. 

Na faixa etária de 5 a 17 anos, 21,7% dos que não tomaram o imunizante justificaram sua escolha por não achar a vacina necessária ou porque já tinham contraído a covid-19 e acreditavam estar seguros contra a doença. Para aqueles com 18 anos ou mais, a soma dessas respostas totalizou 26,7%. 

De acordo com o instituto, para crianças e adolescentes, é possível que os pais ou responsáveis possam ter influenciado a não-vacinação, uma vez que estariam encarregados de decidir pela imunização. 

O Ministério da Saúde decretou emergência em saúde pública em razão da covid-19 em 4 fevereiro de 2020. Na época, o coronavírus já havia matado mais de 400 pessoas em 3 países, mas o Brasil ainda não havia confirmado nenhum caso que foi registrado dias depois, em 26 de fevereiro. 

Em março, a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou que a propagação do coronavírus caracterizava uma pandemia. A vacinação no Brasil começou quase 1 ano depois, em janeiro de 2021. Para a faixa etária de 5 a 11 anos, o início da vacinação foi cerca de 1 ano depois.

Um dos maiores empecilhos para a vacinação em massa no Brasil, foi pela intensa propagação de divulgação de notícias falsas e fake news sobre a vacina. 

Reportar Erro