Crime

Deputados lamentam morte de policial baleado por bandido beneficiado com ‘saidinha’

Os parlamentares já tinham criticado o benefício, após centenas de presos não retornarem aos presídios em todo o país

acessibilidade:
O Sargento Roger Dias, de 29 anos, foi baleado por um criminoso que deixou a prisão beneficiado com a 'saidinha de natal'. (Foto: Divulgação/Polícia Militar).

Deputados federais, membros da Comissão de Segurança Pública na Câmara, lamentaram a morte do sargento Roger Dias, da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), que foi baleado na cabeça por um bandido beneficiado com a ‘saidinha’ de natal e tinha 18 passagens pela polícia.

O deputado federal Rodolfo Nogueira (PL-MS) apontou que a morte do policial também pode ser atribuída a políticos que são a favor das ‘saidinhas’.

“Lamentavelmente, o Sargento Dias não resistiu ao ataque sofrido. Que Deus o acolha, conforte os familiares e proteja os irmãos de farda que estão na batalha. O sangue de inocentes foi derramado após a saidinha de fim de ano. Os assassinos são culpados, mas esse sangue também está nas mãos dos políticos que são a favor. Que nesse ano o Congresso reveja e coloque um basta nesses ‘passeios’, que só trazem o caos ao povo de bem”, afirmou.

Na mesma linha, o deputado federal Sargento Gonçalves (PL-RN) também prestou condolências.

“Muito triste ver um irmão de farda partir dessa forma. Meus sentimentos aos amigos e familiares. Que possamos endurecer as penas para crimes contra agente de segurança pública, a fim de que se possa coibir outras atrocidades como essa”, declarou Gonçalves.

O deputado federal Sargento Portugal (Pode- RJ), afirmou que o Congresso precisa “dar um basta” com esse beneficio aos presos.

“Precisamos dar um basta nessas saídas temporárias de presos, e votarmos com urgência no Senado. O presidiário tem que estar longe da sociedade de bem. Lamentável a perda de um irmão de farda por um covarde desses. Meus sentimentos aos familiares”, pontuou.

O deputado federal Rodrigo Valadares (União-SE) falou em endurecer penas para esse tipo de crimes.

“As imagens são revoltantes. A impunidade impera no Brasil. Precisamos trabalhar no próximo ano para aumentar as penas para crimes bárbaros como esse. Bandido na rua traz pânico para a sociedade”, declarou.

Os mesmos parlamentares já tinham criticado o benefício, após centenas de presos não retornarem aos presídios em todo o país. Na mesma ocasião, os deputados também cobraram o Senado Federal para debaterem com urgência a proposta que põe fim as ‘saidinhas’.

 

Reportar Erro