Mais Lidas

Operação G4

Polícia Civil do DF apura fraude em contratos de obras na região Sol Nascente

Projetos mal elaborados teriam permitido aditivos contratuais milionários em obras na região

acessibilidade:
Auditoria constatou o repasse extra de R$ 13,5 milhões aos consórcios Foto: André Gustavo Stumpf

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio da Divisão Especial de Repressão à Corrupção da (Decor-Cecor) deflagra, nesta quinta-feira (6), a Operação G4 para apurar irregularidades nos contratos de obras de urbanização do Setor Habitacional Sol Nascente, na cidade satélite de Ceilândia. Também participa da ação, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, por meio da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep/MPDFT).

Na operação, foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão em empresas vinculadas ao consórcio, órgãos públicos e residências. As buscas visam obtenção de elementos probatórios que irão subsidiar as investigações em andamento.

O Relatório de Inspeção conclui que ocorreu “um dano ao Erário apurado de R$ 8.244.079,25 e num prejuízo potencial de mais de R$ 4.178.714,67 nos da Secretaria de Estado de Obras e Infraestrutura do Distrito Federal (SINESP), o que resultou no aumento da margem de lucro geral das contratadas em 68,32%, de cerca de R$ 16 milhões para algo em torno de R$ 30 milhões.”

Segundo a PCDF, as irregularidades apuradas foram, em tese, praticadas pelas empresas que compõe o consórcio executor das obras, em conluio com funcionários da Companhia Urbanizadora da Nova Capital  (Novacap) na época.

As informações remetidas ao poder público apontam que os projetos básicos foram insuficientes e mal elaborados pela empresa projetista para possibilitar posteriores aditivos contratuais por parte das empresas executoras. Essa foi uma das possíveis formas encontradas pelo grupo para superfaturar o contrato valendo-se de aditivos qualitativos.

Com isso, a partir da deficiência do projeto básico, relativo à situação geológica do terreno, ocorreu o grande vulto de aditivos contratuais que, em quase sua totalidade, foram motivados pelo tipo de terreno, solo mole, estranhamente não detectado pela empresa projetista, a despeito de análise geotécnica realizada em 2006, que apontou a presença deste tipo de solo.

Apenas os serviços novos relacionados a solo mole e à presença de água nos primeiros metros superficiais já importaram num acréscimo de 54% do valor inicial desonerado, com o fim de corrigir erros no projeto que serviu de base à licitação. Ademais, foi constatado vínculo societário indireto entre a empresa projetista e a empresa líder do consórcio, que chegaram a funcionar no mesmo endereço.