Ousadia

Dono de mansão cerca acesso a Península do Lago Sul

O morador adicionou um portão de 'presídio' que limita a circulação de pessoas ao Parque Ecológico

acessibilidade:
O portão foi derrubado. (Foto: Divulgação).

Um dono de uma mansão no Lago Sul instalou um portão de ‘presídio’ que limita a circulação de pessoas ao Parque Ecológico Península Sul, na QL 12.

Segundo relato de fontes ao Diário do Poder, a instalação foi feita pelo dono da casa que fica ao lado da entrada do local.

Ainda segundo a fonte, o Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal (Ibram) autorizou a instalação do gradil que impede a passagem das pessoas.

Assim como no Parque da Asa Delta, sempre houve um portão no local, porém ele não limitava o acesso das pessoas que queriam frequentar o parque.

Todo parque administrado pelo Ibram tem horário de funcionamento, sendo que a placa instalada no local mostra que a Península Sul abre todos os dias das 6h às 18h.

Moradores relatam que o portão foi derrubado por funcionários do Ibram, veja abaixo fotos do momento:

O portão foi derrubado. (Foto: Divulgação).

 

A Administração do Lago Sul foi questionada pelo Diário do Poder se tinha conhecimento sobre a instalação dessas grades e portão. A Administração respondeu que: “a gestão dos parques é de responsabilidade do Ibram”.

A reportagem acionou o Ibram sobre quais foram os critérios usados para autorizar essas instalações, e se realmente foi autorizada. Veja a nota do instituto abaixo:

“O Instituto Brasília Ambiental, por meio de sua Superintendência de Unidades de Conservação, Biodiversidade e Água, informa que a autorização para realocação do portão deu-se pensando em atender à comunidade quanto a segurança da área, e vai ao encontro do projeto de extensão da poligonal do parque que aguarda publicação do GDF. A autarquia identificou em seus estudos e consulta pública realizada com a comunidade local, se tratar de uma questão de área de acesso à unidade de conservação que deveria ser protegido.
Ao ser consultada em processo, a administração regional do Lago Sul afirmou não apresentar óbices à realocação”.