Decisão unânime

Copom ignora Lula e mantém taxa Selic em 10,50%

Com o resultado, a Selic vai continuar em 10,5% ao ano

acessibilidade:
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil).

Em decisão unânime, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) manteve nesta quarta-feira (19) a taxa básica de juros da economia (Selic) inalterada.

Com o resultado, a Selic vai continuar em 10,5% ao ano. A manutenção encerrou o ciclo de cortes do BC.

A medida decorre dos sinais preocupantes de retomada da inflação, confirmada pelos indicadores oficiais.

Apesar de a volta da inflação ser provocada pelos desacertos do seu governo, o presidente Lula tentou mais uma vez transferir responsabilidades, atacando o presidente do Banco Central Roberto Campos Neto, eleito por duas vezes o melhor presidente de Banco Central do mundo.

O ataque de Lula a Campos Neto foi interpretada. no mercado financeiro como uma tentativa de Lula de intimidar o Copom e o BC, a fim de impor sua vontade de reduzir os juros artificialmente, ignorando a pressão inflacionária.

Em maio, o Copom reduziu a taxa Selic em 0,25 ponto percentual, passando de 10,75% para 10,50% ao ano.

À época, a decisão marcou o sétimo corte consecutivo desde agosto de 2023, quando a taxa estava em 13,75% ao ano.

Conselho do Copom

Colegiado do Copom. (Foto: Reprodução/Banco Central).

O Copom é formado pelos oito diretores do BC e o presidente do banco, Roberto Campos Neto. Entre eles:

Gabriel Muricca Galípolo (Diretor de Política Monetária);

Ailton Aquino dos Santos (Diretor de Fiscalização);

Carolina Barros (diretora de Administração);

Diogo Abry Guillen (diretor de Política Econômica);

Renato Dias de Brito Gomes (diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução);

Otávio Damasco (diretor de Regulação);

Paulo Picchetti (diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos);

Rodrigo Alves Teixeira (diretor de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta).