Vice de Cláudio Castro

Candidato a vice-governador é alvo da PF por desvios de meio bilhão

Operação Anáfora investiga gestão do ex-prefeito de Duque de Caxias

acessibilidade:
Prefeito de Duque de Caxias Washington Reis. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil/Arquivo

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã de hoje (1º) no Rio de Janeiro, com apoio da Controladoria Geral da União (CGU), a Operação Anáfora. O objetivo é apurar suposto favorecimento em contratos na área de saúde com uma cooperativa de trabalho pelo município de Duque de Caxias, na gestão do ex-prefeito Washington Reis, que é vice na chapa de reeleição do governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro. O valor total dos contratos investigados é de R$ 563,55 milhões, em pouco mais de dois anos.

Cerca de 130 policiais federais e CGU cumprem 27 mandados de busca e apreensão nos municípios de Duque de Caxias, Maricá, Angra dos Reis, Mesquita, Niterói, Nova Iguaçu e na capital. Os mandados foram expedidos pela 6ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

As investigações iniciadas em janeiro deste ano também têm como alvo o empresário Mário Peixoto, denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) após a Operação Favorito, de maio de 2020.

De acordo com a PF, a cooperativa pertence a uma organização criminosa estruturada e complexa, que vem operando no estado, praticando corrupção com desvio de recursos públicos, em especial na área da saúde.

Os mandados de busca e apreensão são contra empresários, interpostos (laranjas), operadores financeiros e prováveis líderes do esquema criminoso.

Segundo a Polícia Federal, o nome da operação faz referência à figura de linguagem que utiliza a repetição de uma palavra em frases seguidas, para enfatizar o termo. Da mesma forma, a organização criminosa investigada repetia o modus operandi na constituição de empresas geridas por laranjas ou para fazer contratos com órgãos públicos. (Com informações da Agência Brasil e G1)

Reportar Erro