Mais Lidas

Não se sabe motivação

Assassinos eram ex-alunos de escola em Suzano, diz secretário

Mortos são 5 alunos, duas funcionárias e tio de assassino

acessibilidade:
Guilherme Taucci Monteiro (foto), de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, eram terroristas

Em entrevista coletiva concedida na tarde desta quarta-feira, 13, a polícia civil de São Paulo confirmou o nome dos dois atiradores da escola Raul Brasil, em Suzano, na grande São Paulo. Os autores do crime são Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, ex-alunos. A motivação para o crime ainda não foi divulgada. Guilherme estudou no colégio até o ano passado.

Os dois atiradores chegaram à escola por volta das 9h30 da manhã de hoje, durante o intervalo de aulas, e atiraram contra funcionários e estudantes. Cinco crianças e um funcionário morreram no local. Os dois atiradores se mataram. De acordo com último balanço divulgado pela polícia, 10 pessoas ficaram feridas e 10 pessoas morreram, incluindo os dois atiradores.

Dentre os que morreram, duas eram funcionários da escola, Eliane Regina de Oliveira Xavier e Marilena Vieira Umezo. Cinco eram alunos do ensino médio: Pablo Henrique Rodrigues, Clayton Antonio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquiades Silva de Oliveira e Doulas Murilo Celestino, que morreu no deslocamento para o hospital.

Vinte e três pessoas foram levadas ao hospital, entre elas, pessoas que passaram mal após o ataque. Antes de chegarem à escola, eles atiraram no dono de uma locadora de carros, Jorge Antonio Moraes, tio de Guilherme, que também veio a óbito.

Fotos

Guilherme Taucci de Monteiro postou cerca de 20 fotos no Facebook, minutos antes do ataque. Ele aparece com uma máscara de caveira e com uma arma. O adolescente também fazia gestos obscenos e segurava um revólver.

Arsenal

Dentro da escola, a polícia encontrou:

  • um revólver 38;
  • quatro jet luders, que são plásticos para recarregamento de arma;
  • uma besta (um tipo de arco e flecha que dispara na horizontal);
  • um arco e flecha tradicional;
  • garrafas que aparentam ser coquetéis molotov;
  • um dos autores do ataque tinha uma espécie de machado na cintura.
  • há ainda uma mala com fios.

O esquadrão antibombas foi chamado, mas não encontrou material explosivo no local.

Vídeos Relacionados