Pedro Luiz Rodrigues

Tudo vai piorar ainda muito mais!

acessibilidade:

Com a pandemia do novo coronavírus a aterrorizar o mundo, a economia mundial altamente entrelaçada de nossos dias já ingressou em sua terceira crise em pouco mais de uma década.

Desta vez, a situação apresenta contornos distintos – e muito mais sérios – do que os das crises anteriores: espreita-nos não a ameaça de uma nova recessão, mas de uma grave e profunda depressão.

A paralisação da máquina produtiva é global. A reclusão de trabalhadores e consumidores – imposta pela necessidade de reduzir a velocidade da propagação do vírus – aniquilam a oferta e a demanda. E não se pode esperar pronta re-ignição.

Os primeiros resultados assustam. No Brasil e no resto do mundo, lares, empresas e governos estão sendo dolorosamente atingidos. Aqui, empresas fechadas, desemprego em alta, consumo em declínio afetaram duramente a arrecadação federal, que em abril foi inferior em 30% à do mês anterior.

Globalmente, governos e bancos centrais preocupam-se com uma dívida de cerca de 250 trilhões (trilhões mesmo!) de dólares, o que significa o triplo do Produto Interno Bruto mundial. Com a necessidade de assegurar a subsistência dos desempregados e a sobrevivência das empresas, essa cifra vai subir, e rapidamente.

Já existem claros sinais de que os próximos avanços da se darão contra os vínculos globais de comércio e investimentos. O protecionismo, usando a Covid-19 como pretexto, promete ganhar espaço.

A escassez de equipamentos e materiais médicos recentemente experimentados por alguns países, despertou em governos, empresas e consumidores preocupação quanto à necessidade de se produzir itens essenciais dentro de suas próprias fronteiras.

Se essa tendência persistir e se difundir, irá esgarçar – e mesmo romper – a malha de cadeias produtivas globalizadas e ao abandono da logística do ‘just-in-time’. O que se foi construindo em termos de comércio nos últimos quarenta anos, poderá dissolver-se num sopro.

Preocupa verificar que as tensões entre os Estados Unidos e a China, as duas principais economias do mundo, crescem a cada dia. O que teve início como uma disputa comercial, há dois anos, evolui perigosamente para uma queda de braço estratégica e geopolítica bilateral, de consequências imprevisíveis.

Robert E. Lighthizer, o representante comercial dos EUA, assinou artigo há dias, em que observou que terceirização global riscos produz riscos que superam a eficiência incremental. Ele atacou particularmente a China, onde, em sua opinião, “houve esforços do governo para roubar – foi o duro verbo que usou – propriedade intelectual em benefício de empresas locais que se tornam as principais concorrentes das vítimas do roubo”.

Devemos ser cautelosos em relação à verborragia agressiva contra parceiros comerciais importantes, como os protagonizados pelo presidente Trump e seus auxiliares diretos.

É que excessos, de qualquer natureza, inclusive os verbais, são alimento apreciadíssimo pelos manipuladores das mídias sociais. Esses ‘inputs’, adulterados e ampliados, serão absorvidos acriticamente por uma opinião pública que, como Walter Lippman nos ensinou, é muito mais guiada pela emoção do que pela lógica.

Pode haver alguma base econômica para algumas das críticas dos Estados Unidos, mas o grande motor em ação no momento parece ser natureza política, com vistas às chamadas eleições de meio-mandato que ocorrerão nos EUA em novembro próximo.

Entrevistado em 11 de maio pelo Beijing Global Times, Stanley Roach – economista da Universidade de Yale e ex-presidente do Morgan Stanley Asia – expressou sua preocupação com a adesão de expressiva parcela da opinião pública americana à campanha orquestrada da Casa Branca contra a China.

Roach mencionou “um vazamento na estratégia política do Partido Republicano que foi escrita por alguns consultores para a campanha presidencial”, que ele leu com muito cuidado: “Sua orientação básica sobre a nova política de coronavírus – não defenda Trump, mas ataque a China. A estratégia republicana na próxima campanha eleitoral presidencial está muito focada no ataque à China ”.

O economista e detentor de Prêmio Nobel, Paul Krugman, não emprega meias palavras, vai direto ao ponto. Para ele, o presidente Trump não está encontrando uma maneira fácil dos problemas criados na área da saúde: sua falta de paciência com o trabalho duro, para conter a pandemia pode ser precisamente o que torna mais séria a situação. Se nada for feito, adverte Krugman, não será apenas uma recessão que está à nossa frente, mas uma profunda depressão.

Além disso, a disseminação da retórica anti-China já alimenta reações políticas mais extremadas em terceiros países, dificultando a indispensável colaboração política global para a contenção do COVID-19.

Países como o Brasil devem agir com cautela. Temos interesses concretos em manter um bom relacionamento com a China, não apenas nosso principal parceiro comercial, mas também o parceiro com o qual obtemos um superávit comercial grande o suficiente para cobrir o déficit da conta de serviços em nossa conta corrente da balança de pagamentos.

As empresas, americanas ou não, que investiram pesadamente na China temerão os obstáculos que podem ser estabelecidos unilateralmente pelas autoridades americanas, prejudiciais à integração e interconectividade global.

Pedro Luiz Rodrigues, diplomata e jornalista brasileiro aposentado.