Marli Gonçalves

Francine Marquez

19/01/2019

Concórdias e discórdias

Marli Gonçalves

Concórdias e discórdias

Queria ser jardineira e plantar concórdias, que seria uma flor linda, viva, fértil, que eu inventaria e espalharia pelo mundo todo, começando por São Paulo, e torcendo para que as sementes fossem carregadas por todo o país. Quem a olhasse seria imediatamente acalmado e passaria a prestar mais atenção no que o outro diz. Seu aroma e colorido se embrenhariam nas casas, nos gabinetes, e todos seriam invadidos por uma sensação de mais lógica, paz e bem-estar.  Sonho meu, sonho meu, vai buscar quem mora longe, sonho meu… Ainda é permitido sonhar, não? Pois bem. Faço isso agora. Parei para pensar um pouco sobre como está difícil achar o ponto de concórdia, sobre qualquer assunto, tema. Um mínimo equilíbrio de bom senso e raciocínio. Onde foi que nos perdemos? Não é saudosismo, ao contrário, tenho achado que estamos andando para trás, mas muito para trás, lá atrás, quase chegando em um passado que deveria estar soterrado, onde não havia comunicação entre as pessoas, apenas opressão e violência, dominação. Até por causa disso, já interrompo o ataque: não estou falando só de política, dessa gente que vem, mas que passa, muitas vezes como um vendaval que a tudo destrói, arrasta. E que seguidamente tentamos reconstruir. Refiro-me a nós. Às conversas olho no olho, aos debates divertidos e ricos, com argumentos. Não esse clima de saloon, de bangbang que, por discordar do outro se pensa em eliminá-lo, seja com gestos, seja com palavras, ou mesmo…Um clima que se embrenhou por aqui, e parece estar colado, não passar nem com reza braba. Qual é a vida real que estamos vivendo? Essa, das redes sociais? Curti, amei, haha, uau, triste, grrr, com as carinhas – emojis – correspondentes. Ou essa das fotos, selfies, com boquinha de pato, em invejáveis cenários paradisíacos? Não colecionamos mais figurinhas. Colecionamos pessoas, seguidores, “Ks”, amigos, inclusive muitos que nunca vimos e nunca veremos – até porque alguns nem existem mesmo, são robôs. Amigo virou palavra com outros sentidos.  Podem até ser meras arrobas, atrás das quais se escondem intenções. Nossas vidas viraram livros abertos; muitos contando apenas histórias da carochinha. Estamos todos vestindo pesadas burcas, só com os olhinhos aparecendo e os dedinhos teclando, passando, repassando qualquer coisa. Assim fica fácil enganar, fazer correr e escorrer o mal. As minhas flores concórdias teriam fortes atrativos para reunir pessoas em torno delas, todas obviamente concordando em pelo menos um ponto. A partir daí poderíamos começar de novo a discutir outros temas. Proponho que o primeiro seja liberdade, liberdade individual, cada um vive a sua, desde que não interfira na do outro. Perguntas teriam respostas. Análises, críticas e comentários seriam bem-vindos, e rebatidos numa medida educada, da argumentação sem xingação, e especialmente sem paixões políticas, essas desgraçadas formas de amor que sempre trazem desapontamentos. Sempre. É só aguardar. Por mais otimistas que sejamos. Sempre nos orgulhamos de ser um país gentil, feliz, variado, abrigando todas as raças e credos, comunidades imigrantes de todos os países. Abertos a batalhas, sim, desde que justas e solidárias. Ultimamente estamos ao contrário. As desavenças e discórdias não são de agora, mas nos fazem muito mal. Pensamos em nos armar, ao invés de nos amar. Em proibir, ao invés de respeitar. Pense nas concórdias. Ajude a espalhá-las. Enquanto é tempo. Antes que as rosas das rosas, as rosas hereditárias, as rosas radioativas estúpidas e inválidas, sem cor, sem perfume, sem rosa, sem nada, se espalhem em nossos canteiros.
18/01/2019

Conselho de Representantes decide manter Francisco Maia como presidente da Fecomércio-DF

Conselho de Representantes decide manter Francisco Maia como presidente da Fecomércio-DF

Seu mandato como presidente do Sistema Fecomércio-DF vai até julho de 2022

Em reunião extraordinária nesta sexta-feira (18), o Conselho de Representantes da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal decidiu, por 16 votos a 10, manter o empresário Francisco Maia no cargo de presidente da Fecomércio-DF durante toda a gestão atual, que vai até julho de 2022. Após a renúncia de Adelmir Santana, foi necessário convocar os conselheiros para cumprir os procedimentos de substituição previstos pela entidade. Seguindo o que determina o Estatuto, a maioria do Conselho entendeu que a Diretoria em exercício já havia sido eleita, em maio do ano passado, para cumprir um mandato de quatro anos, não sendo necessária nova eleição. Dessa forma, os cargos vagos serão ocupados conforme a escala hierárquica de sucessão. “Darei aos conselheiros, diretores e colaboradores do Sistema Fecomércio-DF todo o meu empenho e dedicação. Todos terão espaço nesse mandato, prioritariamente os sindicatos”, afirmou o presidente Francisco Maia. “Trabalharei fortemente em defesa dos setores de comércio, serviços e turismo. Vamos renovar, equilibrar e fortalecer a Fecomércio-DF, sempre lutando por Brasília e pelo seu desenvolvimento”, completou. Como presidente do Sistema Fecomércio no Distrito Federal, automaticamente Francisco Maia também passa a ser presidente dos conselhos regionais do Sesc e do Senac, além de presidente do Instituto Fecomércio. Com a decisão do Conselho de Representantes, a primeira, segunda e terceira vice-presidências terão como titulares, respectivamente, os empresários Edson de Castro, Antônio Tadeu Peron e Alexandre Augusto Bitencourt. O empresário Álvaro Silveira Júnior passa a ocupar a lista dos dez vice-presidentes gerais e Cristiane Carvalho Mendes se torna uma das diretoras adjuntas. A Fecomércio-DF é considerada a principal entidade representativa dos setores de comércio, serviços e turismo em Brasília. Possui 26 sindicatos filiados e dois associados, que, juntos, representam mais de 90 mil empresas responsáveis por 93% do PIB privado do DF. Biografia Francisco Maia Nascido em Teresina (PI), Francisco Maia Farias foi criado em São Luís (MA) até os 13 anos, quando se mudou para Brasília em 1963 e adotou a cidade para viver. Formado em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB), trabalhou nos principais veículos de comunicação da cidade durante a década de 70, tendo passado por Correio Braziliense, Jornal de Brasília, Rádio Nacional e Diário de Brasília, até virar empresário e montar seu próprio negócio na área de comunicação social. Foi pioneiro no segmento de produtoras de vídeo e, posteriormente, virou empreendedor no setor de eventos e hotelaria. Casado há 44 anos com sua esposa Solange Pinheiro Farias, tem três filhos e seis netos. Há 21 anos, Francisco Maia também faz parte da Diretoria da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), tendo se tornado o atual presidente da entidade, e há oitos anos é o presidente do Sindicato das Empresas de Promoção de Eventos do DF (Sindeventos), também foi vice-presidente no Sindicato das Empresas de Turismo do Distrito Federal (Sindetur-DF) por quatro anos e é o atual presidente da Câmara de Turismo e Hospitalidade da Federação.
18/01/2019

Presidente Bolsonaro assina Medida Provisória contra fraudes no INSS

Resgatar a eficiência

Presidente Bolsonaro assina Medida Provisória contra fraudes no INSS

Objetivo do governo com a medida é dar mais eficiência ao serviço prestado pelo Instituto Nacional de Seguridade Social

O primeiro passo para a concretização da Reforma da Previdência, se deu na tarde desta sexta-feira (18) com assinatura do presidente Jair Bolsonaro na Medida Provisória (MP) antifraudes previdenciárias. Objetivo do governo com a medida é dar mais eficiência ao serviço prestado pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), combatendo as fraudes, por meio de uma reavaliação nos benefícios. Vão passar por um pente-fino, os benefícios que estão há mais de seis meses sem perícia, aqueles sem prazo para o fim da concessão e os de natureza assistencial, trabalhista e tributária. Os peritos do INSS vão receber um pagamento bônus de R$ 57,50 por cada perícia. A expectativa do governo é economizar R$ 9 bilhões, conforme afirmou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. “O foco dessa MP é a melhoria da gestão e eficiência. Serão direcionados cerca de R$ 300 milhões para esse combate e a expectativa é fazer economia para os cofres públicos de R$ 9 bilhões”. O texto será publicado em edição extra do Diário Oficial da União, entra em vigor de forma imediata, com validade de três meses, prorrogáveis por igual período, entretanto, falta a aprovação do Congresso Nacional. O governo trabalha com o prazo de dois anos, até 2020 para que o mutirão deve ser finalizado.
18/01/2019

Sponholz

Sponholz

Sponholz