Cláudio Humberto
Coluna CH / 04 de maio

TCU usa fake news para ‘sigilo’ de voos da FAB

acessibilidade:
Ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União. (Foto: TCU)

Liderado pelo ministro Bruno Dantas, o Tribunal de Contas da União (TCU) fez vergonha “autorizando” o que não pode, o “sigilo” sobre uso de jatos da FAB, ignorando lei federal e o princípio da transparência. Além de abdicar do papel fiscalizador, o TCU extrapolou suas prerrogativas para alterar a legislação, alegando uma mentira: supostos “riscos à segurança” das autoridades. Se resta decência aos interessados, eles próprios deveriam desautorizar e exonerar o gesto de bajulação do TCU.

Único risco

A censura do TCU tenta esconder voos já realizados, mostrando que a alegação é falsa. O único “risco” é flagrar uso abusivo de jatos da FAB.

Retrocesso

Sem ter a prerrogativa, o TCU fez interpretação criativa da Lei de Acesso à Informação (LAI), levando o País a retroceder no controle de regalias.

Botão do pânico

Parece ter provocado pânico entre usuários de jatinhos da FAB auditoria que a deputada Bia Kicis (PL-DF) pediu sobre uso abusivo da mordomia.

Os ‘eleitos’

Pela lei, são autorizados a usar aeronaves da FAB os presidentes dos Poderes e ministros, mas exceções foram abertas a membros do STF.

Marinho demonstra dificuldade de entender o papel da tecnologia na geração de oportunidades de trabalho (Foto: Renato Araujo/AG Câmara)

Ministro do Trabalho coleciona afirmações tolas

A inesgotável capacidade do ministro Luiz Marinho (Trabalho) de dizer bobagens garantiu a ele o troféu “Idiotice da Semana” com a lorota de que o MST põe comida na mesa do brasileiro e não o agronegócio, que alimenta mais de 1,5 bilhão em todo o mundo. Uma das figuras mais atrasadas do atual governo, Marinho demonstra dificuldade de entender o papel da tecnologia na geração de oportunidades de trabalho, como Uber, e propôs projeto desastroso de “regulamentação” dos aplicativos.

Ficou para trás

O atraso do ministro do Trabalho é motivo de piada até entre petistas de São Bernardo (SP), base eleitoral que o tem derrotado a cada eleição.

Não sabe o que faz

Agora, Marinho quer regulamentar a inteligência artificial, sem fazer ideia do que se trata. O senador Ciro Nogueira (PP-PI) tem ideia melhor.

Burrice artificial

“Deviam regulamentar a burrice artificial, que usa o artifício da regulamentação a favor do atraso e contra o Brasil”, disse Ciro Nogueira.

Poder sem Pudor

Lei de palanque

Candidato a prefeito de Catolé do Rocha (PB) nos anos 1960, Benedito Alves Fernandes, o Biu Fernandes, encerrou a campanha usando a famosa expressão do Direito: “Dura Lex Sed Lex” (“A Lei é dura, mas é a Lei”). Como o povão não entendeu, Biu resolveu traduzir a frase: “Lutarei até morrer!”. Depois deputado estadual pelo DEM, hoje União Brasil, Biu deve ter lido que, quando se trata de punir poderosos, como diria Fernando Sabino, a expressão mais adequada é “dura lex sed latex” (a lei é dura, mas estica).

Seria só loucura?

Recordista em afirmações sem pé e nem cabeça, Silvio Almeida (Direitos Humanos), que no Carnaval sambou ao lado de figuras ligadas a essa área, disse que saidinha de bandidos “fortalece o crime”.

Fora da casinha

“Em plena catástrofe vivida pelos gaúchos, falar em futebol é a prova da sua total irresponsabilidade”, disse deputado Sanderson (PL-RS). Para ele, o petista “está totalmente dissociado da realidade brasileira”.

Macêdo salvou

Em vez de terceirizar a responsabilidade pelo fiasco de 1º de Maio a Márcio Macêdo (Secretaria Geral), Lula deveria homenagear o ministro, que não escolheu fazer o ato na Avenida Paulista, onde as comparações com as multidões de apoio a Bolsonaro seriam ainda mais humilhantes.

Não sabe o que faz

Com primarismo constrangedor, Lula disse no 1º de Maio que, “em nome do emprego”, não haverá desoneração da folha. Nem se dá conta de que a medida extinguirá centenas de milhares de postos de trabalho.

Frase do dia

“Parece a Venezuela, mas é o Brasil de Lula”

Deputado Kim Kataguiri (União-SP) sobre dinheiro público em evento de crime eleitoral

Docilidade é fraqueza

O sempre dócil presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, virou motivo de chacota no Planalto, que vazou a fofoca de que ele se queixou a Lula por não haver recebido “nem mensagem de whatsapp” informando que haveria recurso à parceria do STF para anular a lei da desoneração.

História que se repete

As hostilidades a judeus, nos protestos contra o governo de Israel, fazem lembrar a caçada nazista que resultou no holocausto. Nos EUA, alunos reconhecidos como judeus são atacados, impedidos de assistir aulas.

Reajuste

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), anunciou o novo salário-mínimo do estado, R$1.640, valor 16% superior ao salário-mínimo nacional. A proposta será votada na Assembleia.

Longe do Planalto

Está marcada para a terça (7), às 10h, reunião do presidente da Câmara, Arthur Lira, com deputados da Frente Evangélica para discutir imunidade parlamentar e proibição de pregações em presídios, entre outros temas.

Pensando bem...

...se tudo é política, nada é político.

Reportar Erro