Cláudio Humberto
Coluna CH/29 de setembro

Provocação da Petrobras liga o alerta no Planalto

acessibilidade:
Provocação da Petrobras liga o alerta no Planalto. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ ABr

A clara provocação da Petrobras aos caminhoneiros, com o aumentaço de 8,89% no preço do diesel a partir desta quarta (29), segundo ministros com gabinete no Planalto, pode indicar que, aparelhados politicamente, setores da estatal tentam incendiar o País contra o governo. O aumento revolta os caminhoneiros, importante base de apoio de Jair Bolsonaro. A outra conclusão é de que a subordinação cega ao “mercado” leva a Petrobras a ignorar sua função social de estatal, fixada na Constituição.

Alô, PF, alô, MPF

Os sinais de subordinação cega ao mercado deveriam ser investigados, até porque 40% dos acionistas da Petrobras são estrangeiros.

A quem ele serve?

Ao afirmar que avaliava “com carinho” mais aumentos dos combustíveis, o diretor da Petrobras deveria indicar os destinatários dos seus “afetos”.

Quem governa

O diretor Claudio Marcellas mostrou que é ele quem governa, tipo “aqui ninguém tasca”. Tanto assim que cumpriu a ameaça de mais aumentos.

Quem não governa

Caminhoneiros se dizem na internet desapontados com o novo discurso de Bolsonaro, jogando a toalha sobre a política de lucros da Petrobras.

Usina em período de moagem de cana para produzir etanol. Foto: Alagoas Rural

Ameaça à adição de álcool só prejudica o Nordeste

Fiel ao estilo de reproduzir o que ouve sem checar, Jair Bolsonaro disse que a adição de álcool anidro torna a gasolina “mais cara”. Até ameaçou passar de 27% para 18%, para “reduzir” o custo da gasolina. Isso é falso. Na verdade, se a adição cair de 27% para 18%, a redução no custo e no preço final do combustível para o consumidor seria irrisória, de R$0,02 por litro. A ameaça confirma suspeitas de perseguição aos produtores do Nordeste, que conquistaram o direito de venda direta aos postos.

Crime se lesa-pátria

Outro ataque ao Nordeste é o lobby das distribuidoras para importar etanol sem imposto para inundar a região com o produto em plena safra.

Seria uma catástrofe

A importação de etanol a imposto zero se destina apenas a prejudicar os produtores do Nordeste, que geram mais de 400 mil empregos.

Tem etanol de sobra

A importação criminosa de etanol sem impostos não faz sentido porque não há risco de desabastecimento do produto.

Poder sem Pudor

Talentos revelados

Eleito presidente, Tancredo Neves foi procurado pelo deputado Ulysses Guimarães, que pretendia “queimar” a escolha para o Ministério da Justiça do deputado pernambucano Fernando Lyra, que faria História no cargo. Ulysses o chamou de “jurista de Caruaru” e Tancredo reagiu ao seu estilo: “Ulysses, não foi você quem indicou o Pedro Simon para a Agricultura?” Ele reconheceu: “Fui eu.” Tancredo arrematou, referindo-se com graça à ascendência árabe de Simon: “Pois é. A única fazenda que ele conhece é tecido ‘do loja’...”,

Tempestade perfeita

Caminhoneiros já sabem que Bolsonaro jogou a toalha e nada fará contra a política de preços da Petrobras. Como diria Silva e Luna, presidente da estatal, é a “tempestade perfeita” para incendiar o País.

Fome é detalhe

A lógica perversa de ativistas do “mercado” é atacar iniciativas em favor de pobres, melhorando o valor do Bolsa Família ou prorrogando o auxílio emergencial. Temem que a medida favoreça Bolsonaro eleitoralmente.

Jogo do ganha-ganha

Eduardo Leite disse que prefere o Executivo ao Legislativo. Disputar as prévias para ser candidato do PSDB ao Planalto é conveniente porque ele é contra reeleição e os gaúchos nunca reelegeram seu governador.

O que é bom se esconde

A grande notícia de ontem na CPI foi solenemente ignorada. O senador Luiz Carlos Heinze citou estudo da Universidade de Viçosa revelando que mais de 2,5 mil municípios brasileiros já não têm mortes por covid.

Frase do dia

Trump em 2016, Bolsonaro em 2018, agora em Portugal

Deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) lista ‘barrigadas’ recentes de pesquisas eleitorais

Politicamente incorretos

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado rejeitou (mais um) projeto alterando a distribuição dos bilhões do DPVAT. A ideia era fazer o seguro obrigatório bancar a reabilitação de vítimas e custear a construção de creches. Mas o lobby das seguradoras sempre se impõe.

Tudo contra o trabalho

A pelegada, que não é muito chegada ao batente, inventou que a maioria dos infectados pegou covid no trabalho. A alegação não tem provas, mas a pelegada dos bancários cita a crença de que o percentual vai a 65%.

Mais notícia boa

Está marcada para esta quarta (29), às 10h30, a entrevista coletiva para apresentar dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A presença do ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) deixa claro que o balanço deve ser mais uma boa notícia sobre o emprego no Brasil.

Transparência e compliance

A Abrig (relações institucionais e governamentais) promove hoje (29) seminário gratuito na internet para discutir “Democracia, Accountability, Transparência e Compliance”. Participam a professora Maria Brandão, a vice do BB Paula Teixeira e a executiva da BMW Rossane Greco.

Pensando bem...

... se continuar assim, em breve, a Petrobras vai lucrar mais que as fabricantes de vacina.

Reportar Erro