Coluna Cláudio Humberto




Diretor vapt-vupt do BNB foi indicado por Bezerra

A passagem vapt-vupt de Alexandre Cabral pela presidência do Banco do Nordeste (BNB), por apenas um dia, mostrou que “fake news” são frequentes na imprensa formal. É que Cabral não foi indicado pelo “centrão” e nem mesmo pelo PL do ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP): foi uma escolha de Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado e, especialista em arrumar boquinhas para apadrinhados, agiu rápido antes de o “centrão” emplacar seu indicado. O amigo do senador tinha ficha suja, acusado de irregularidades, e foi logo demitido. O nome do PL para presidir o BNB é o diplomata Flávio Cals Dolabella, que atuou nos ministérios das Cidades e da Fazenda. O governo ainda faz um levantamento sobre a vida pregressa de Dolabella. Ele chegou a ser acusado por um delator da Odebrecht, Antonio Almeida, por receber mesada de R$15 mil para vazar cópias das atas de reuniões do Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações, do Ministério da Fazenda.

Hospital de campanha em SP é quase cenográfico

Bastou uma visita de inspeção de deputados estaduais de São Paulo para descobrir que é praticamente cenográfico o “hospital de campanha” instalado pelo governo estadual no Anhembi. Só a montagem custou R$12 milhões, além dos R$10 milhões mensais para sua “manutenção”. Pareciam esconder alguma coisa: tentaram impedir o acesso dos deputados à força. Márcio Nakashima (PDT), chegou a ser empurrado.


Poder sem Pudor

Consumidor distraído

Participando de uma excursão parlamentar a Nova York, o deputado Germano Rigotto (PMDB-RS) chamou os colegas para acompanhá-lo à conhecida loja Macy's. Queria comprar umas roupas. Vaidoso, ele acabou impacientando os deputados com a demora na escolha. Decidiu ir embora. Já de saída, ele se voltou para o atônito vendedor, cheio de roupas penduradas nos braços, e gritou em bom sotaque gaúcho: “Guarda tudo que volto amanhã, tchê!” O vendedor nada entendeu, nem os colegas de Rigotto, que até hoje não sabem se ele brincava ou esqueceu que ali o idioma era outro.

Continuar lendo

Frase do Dia

+ Cláudio Humberto

Diretor vapt-vupt do BNB foi indicado por Bezerra

A passagem vapt-vupt de Alexandre Cabral pela presidência do Banco do Nordeste (BNB), por apenas um dia, mostrou que “fake news” são frequentes na imprensa formal. É que Cabral não foi indicado pelo “centrão” e nem mesmo pelo PL do ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP): foi uma escolha de Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado e, especialista em arrumar boquinhas para apadrinhados, agiu rápido antes de o “centrão” emplacar seu indicado. O amigo do senador tinha ficha suja, acusado de irregularidades, e foi logo demitido. O nome do PL para presidir o BNB é o diplomata Flávio Cals Dolabella, que atuou nos ministérios das Cidades e da Fazenda. O governo ainda faz um levantamento sobre a vida pregressa de Dolabella. Ele chegou a ser acusado por um delator da Odebrecht, Antonio Almeida, por receber mesada de R$15 mil para vazar cópias das atas de reuniões do Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações, do Ministério da Fazenda.

Hospital de campanha em SP é quase cenográfico

Bastou uma visita de inspeção de deputados estaduais de São Paulo para descobrir que é praticamente cenográfico o “hospital de campanha” instalado pelo governo estadual no Anhembi. Só a montagem custou R$12 milhões, além dos R$10 milhões mensais para sua “manutenção”. Pareciam esconder alguma coisa: tentaram impedir o acesso dos deputados à força. Márcio Nakashima (PDT), chegou a ser empurrado.



Poder sem Pudor

Consumidor distraído

Participando de uma excursão parlamentar a Nova York, o deputado Germano Rigotto (PMDB-RS) chamou os colegas para acompanhá-lo à conhecida loja Macy's. Queria comprar umas roupas. Vaidoso, ele acabou impacientando os deputados com a demora na escolha. Decidiu ir embora. Já de saída, ele se voltou para o atônito vendedor, cheio de roupas penduradas nos braços, e gritou em bom sotaque gaúcho: “Guarda tudo que volto amanhã, tchê!” O vendedor nada entendeu, nem os colegas de Rigotto, que até hoje não sabem se ele brincava ou esqueceu que ali o idioma era outro.

Continuar lendo

Frase do Dia

+ Cláudio Humberto