Cláudio Humberto
Coluna CH/18 de novembro

Ministério cortou pesquisa para fabricar superávit

acessibilidade:
Consumidor deve avaliar bem a mudança, pois caso mantenha o consumo no horário de pico, poderá pagar mais caro. Foto: Beth Santos/Secretaria-Geral da PR

Com o objetivo de “fabricar” superávit, o Ministério de Minas e Energia (MME) aplicou menos de 3% do total arrecadado para investir pesquisa e desenvolvimento no setor elétrico. Esse dinheiro é tomado dos cidadãos através das contas de luz cada vez mais caras. De acordo com o ministro Jorge Oliveira, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o Tribunal de Contas da União (TCU), o MME contingenciou recursos destinados a pesquisa durante oito anos, entre 2011 e 2019.

Sem surpresas

O relatório do TCU evidencia que a fiscalização é “deficiente e não há controles adequados para recolhimento e investimento dos recursos”.

Pior para o País

Com os recursos investidos, novas tecnologias poderiam ter garantido hoje “um cenário menos preocupante”, segundo o TCU na crise hídrica.

Origem nobre

Sem política de Pesquisa & Desenvolvimento criada em 2000, durante o apagão, o Brasil virou refém de termelétricas que faturaram bilhões.

Para piorar

Consumidores pagam contas de luz muito mais caras pela omissão da Aneel, que atua mais como parceira das distribuidoras que reguladora.

Valdemar Costa Neto, presidente nacional do PL.

PL deu a Costa Neto ‘poderes’ que ele já tem

O presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, concedeu a ele mesmo “carta branca” para negociar a filiação de Jair Bolsonaro ao partido. Ele tem procurações com plenos poderes para votar em nome dos presidentes regionais. É a condição que impõe para designar alguém para essa função. A rigor, Valdemar Costa Neto precisa se reunir apenas com os próprios botões, nas deliberações do partido.

Testemunha

O “centralismo democrático” de Valdemar Costa Neto foi revelado por um ex-presidente regional que desistiu do papel meramente figurativo.

Ninguém tasca

Apesar das aparências, Valdemar Costa Neto é o dono do PL e dos partidos que organiza, e exerce seu poder com “mão de ferro”.

Acordos desfeitos

A “carta branca” apenas dará pretexto ao presidente do PL para desfazer eventuais acordos regionais fechados pelos respectivos.

Poder sem Pudor

Diálogo de raposas

Magalhães Pinto era deputado federal e, no dia do aniversário de José Maria Alkmin, seu rival na política mineira e nos talentos de raposa, resolveu não enviar mensagem alguma. Mas o destino colocou os dois frente a frente, naquele dia. Magalhães fingiu contentamento: “Parabéns, Alkmin, muitos anos de vida! Recebeu meu telegrama?” Alkmin foi tão insincero na resposta quanto o adversário na saudação: “Mas é claro, Magalhães! Aliás, de todos que eu recebi, o seu foi o que mais me emocionou.”

Feriadão da alegria

Acusado por seis ex-assessoras de embolsar 90% dos seus salários, o presidente da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), não deu as caras, ontem, na reunião do colegiado. Assessores dizem que estava em Lisboa, em evento que possibilitou o caríssimo “feriadão da alegria”.

São uns artistas

Diretor-geral da Aneel, “agência reguladora” de energia elétrica, André Pepitone também esteve em um evento de Lisboa usado como pretexto para garantir feriadão alongado em Portugal, desde o dia 12 passado.

Licença para matar

A decisão do MPF de não denunciar o assassinato e esquartejamento de um índio de 16 anos faz lembrar os 37 bebês mortos pelos pais índios em Caracaraí (RR), há alguns anos. Tanto quanto a barbárie que vitimou o garoto em Itaituba (PA), a chacina de bebês ficou impune.

Rei Momo do deboche

Davi Alcolumbre continua debochando do País. Diz agora que há “outras indicações” a serem votadas antes da sabatina de André Mendonça. Muitas. Mas não explica por que não as coloca em votação.

Pedala, CCJ

Três senadores de partidos governistas e oposicionistas protocolaram (17) requerimentos na CCJ para que seja marcada a sabatina de André Mendonça para o STF.

Coincidências

O ministro do STF Ricardo Lewandowski mandou investigar denúncia de racismo da deputada Bia Kicis (PSL-DF). Coincidentemente, ela é autora de projeto para revogar a PEC da Bengala, reduzindo dos atuais 75 para 70 anos a idade-limite para atuação dos ministros do STF.

Hora da verdade

O TSE convidou jornalistas para ver o Teste Público de Segurança das urnas eletrônicas. Durante o evento, haverá “visita guiada” ao centro de divulgação onde ocorrerão 29 ataques, mas só os aprovados pelo TSE.

Mudança lenta

A pandemia alavancou o e-commerce como nunca antes, mas o hábito de comprar online ainda sofre com aceitação. Pesquisa PayPal revelou que só 25% dos brasileiros vão continuar comprando na internet.

Pensando bem...

...no Reino Unido, o poder moderador é rainha.

Vídeos Relacionados