Cláudio Humberto
Coluna CH/17 de agosto

Câmara espera adesão de Guedes a desoneração

acessibilidade:
Paulo Guedes, ministro da Economia. Foto: Edu Andrade/Acom ME
Paulo Guedes, ministro da Economia. Foto: Edu Andrade/Acom ME

O deputado Efraim Filho (DEM-PB) afirmou que a Câmara espera a adesão do governo, por meio do ministro Paulo Guedes (Economia), ao seu projeto que prorroga até o ano de 2026 a desoneração da folha de pagamento de empresas de 17 setores, que empregam milhões de pessoas em todo o País. O fim da desoneração, previsto para 31 de dezembro, poderá custar ao menos 6 milhões de postos de trabalho.

Extermínio de vagas

O parlamentar lembra que um país que soma 15 milhões de desempregados não pode favorecer o extermínio ainda maior de vagas.

Impacto no consumo

“Cada desempregado é um consumidor a menos, com impacto direto na retomada do crescimento”, sustenta Efraim Filho.

Onerar é distorção

O deputado acha que a oneração da folha rima com distorção, na medida em que pune a geração de empregos.

Proposta em tramitação

O projeto que prorroga a desoneração da folha de pagamento está sob exame da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara.

Paulo Guedes, ministro da Economia. Foto: Edu Andrade/Acom ME
300 respiradores comprados por governadores do PT e pelo filho do relator custaram R$49 milhões com pagamento antecipado, mas nunca foram entregues. Foto: Divulgação

Nota dos governadores frustrou pela baixa adesão

Em Brasília, nesta segunda (16), setores de oposição não sabiam ao certo se trombeteavam ou jogavam para debaixo do tapete a nota pública de 14 governadores manifestando solidariedade aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) criticados pelo presidente Jair Bolsonaro. O problema é que 12 dos 14 governadores são opositores do governo e ao menos três tentam se viabilizar à sucessão presidencial. Outros, importantes, como Romeu Zema (MG), do Novo, ficaram de fora.

Dois independentes

Dos 14 signatários, são considerados independentes apenas Ibaneis Rocha (MDB), do Distrito Federal, e Belivaldo Chagas (PSD), de Sergipe.

Três pré-candidatos

Três dos que assinaram a nota são pré-candidatos a presidente: Eduardo Leite (RS) e João Doria (SP), do PSDB, e Flávio Dino (MA), do PSB.

Metade não foi legal

No STF, ontem, era indisfarçável um certo desapontamento com a adesão de apenas metade dos governadores à nota pública.

Poder sem Pudor

O lugar mais seguro

Deputado pela UDN nos anos 1940, Otávio Mangabeira foi designado para representar a Câmara em um exercício de tiro da Marinha, em alto mar. Ele foi, mas com certa má vontade. A bordo do navio de guerra, era visível o seu desinteresse. O comandante armou sua vingança quando viu o pensativo Mangabeira tomar um grande susto ao primeiro disparo de canhão: “Ora, deputado, não vá me dizer que está com medo…”, ironizou. Otávio Mangabeira foi rápido no gatilho, justificando seu temor: “Estou sim, almirante. Afinal, o único lugar seguro por aqui é o alvo.”

Sem relações

Desde 2015, a embaixada do Afeganistão em Washington representa os interesses do país em Brasília. E a nossa embaixada em Islamabad (Paquistão) representa o Brasil junto ao governo de Cabul. A nota do Itamaraty sobre a crise, como sempre, foi adequada e profissional.

Bateu, levou

O STF reage a iniciativas contra Bolsonaro após cada estocada em ministros. Ontem cobrou parecer da PGR sobre ação do PT, certamente insuspeita, de “uso indevido” de veículos de imprensa oficiais.

‘Doces’ bárbaros

A repórter da CNN em Cabul, Clarissa Ward, inocentinha, chamou de “amistosos” os talibãs que invadiram o palácio do governo entoando “Morte à América!” Não deve ter sido percebida pelos “simpaticões”.

Que vexame

Biden, o idiota, diz não se arrepender do que fez, levando suas tropas a fugir, abandonando milhares de civis americanos e afegãos que os EUA têm obrigação de proteger do banho de sangue da retaliação talibã.

Frase do dia

Eu não lamento a minha decisão

Joe Biden, presidente dos EUA, tentando explicar a fuga vexatória do Afeganistão

Ineficaz e irrelevante

O comunicado da ONU em relação à situação no Afeganistão pareceu uma Miss Universo pedindo a paz mundial. Sem nenhum efeito prático e ignorando peculiaridades locais, queria formar um governo ocidental.

Loteamento rentável

Em vídeo a petroleiros, o ex-presidiário Lula diz que a Petrobras não é “de um presidente, um sindicato, não é de uma categoria”. Ele tem razão. Mas ao lotear a estatal em seu governo, permitiu que fosse saqueada.

Questão de prioridade

Enquanto o esporte e as histórias olímpicas emocionaram todos, o Brasil enche a boca para dizer que investe R$750 milhões por ano no esporte. É menos que o fundo partidário e 20% do montante do fundão eleitoral.

Erro não se repete

O Brasil se aproxima de chegar à marca de 58% da população vacinada com uma dose ou dose única e aumenta a flexibilização das medidas de isolamento. Os EUA flexibilizaram com 46% e tiveram que voltar atrás.

Pensando bem...

...assim como presidente não fala pelas Forças Armadas, governadores não falam pelas polícias estaduais.