Ocupação em Goiânia

?Terrorismo psicológico?, diz um dos líderes da greve

Professores grevistas vão passar fim de semana na Câmara

acessibilidade:

Professores em greve continuam a ocupação na Câmara Municipal de Goiânia. Eles ocupam o local desde o dia 10 de junho, quando os vereadores rejeitaram o requerimento de abertura do processo de impeachment contra o prefeito Paulo Garcia (PT).

Um dos líderes do movimento, Renato Regis, reclama e diz que estão sofrendo ?terrorismo psicológico?. Os grevistas, inclusive, já fizeram denúncia para Anistia Internacional. O prédio está sem água e com energia cortada.

Durante o dia, quando o clima está quente, o ar condicionado fica desligado; na madrugada, quando esfria, o ar é religado. É o que alega Renato Regis. Além disso, há um rádio na Câmara, que é ligado propositalmente no volume máximo, por volta das 5h30. Mesmo com todas as questões adversas, os professores dizem não que não vão arredar o pé até que o acordo firmado em outubro do ano passado seja, de fato, cumprido.

Na tarde de hoje, as entradas da Câmara chegaram a ser bloqueadas, mas Renato comenta que, vez ou outra, alguém entrar. Uma assembleia está marcada para próxima segunda-feira (16). Os professores prometem não abandonar a Câmara durante o fim de semana.

Reportar Erro