Mais Lidas

Energia elétrica

Senado discutirá problema de distribuição de energia no Brasil

Falta de linhas de distribuição pode gerar desperdício de energia

acessibilidade:

A Comissão de Infraestrutura do Senado Federal aprovou, nesta terça-feira (13) o requerimento apresentado pelo senador Flexa Ribeiro (PSDB), a matéria visa a realização de audiência pública para discutir os impactos na indústria nacional em função da paralisação das obras de construção de linhas de transmissão de energia elétrica.  A falta de linhas de transmissão em Belo Monte é motivo de preocupação do senador Flexa Ribeiro. 

No final do ano passado, a multinacional espanhola Abengoa, que tem projetos para a construção de 13 mil quilômetros de linhas de transmissão de energia no Brasil, comunicou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que terá que interromper as obras no país por motivo da crise financeira que a companhia enfrenta. Uma das líderes no setor de construção, manutenção e operação de linhas de transmissão de energia, a Abengoa solicitou pedido de proteção preliminar contra credores, espécie de recuperação judicial, na Espanha. O pedido foi motivado pela queda no valor das ações da empresa, que no final do ano registraram uma perda de 54%. Além das linhas de Belo Monte, a Abengoa ganhou o leilão para a construção da linha Estreito-Itabirito 2, que passa por Belo Vale, na região Central de Minas.

Na última semana, a primeira turbina de Belo Monte, com capacidade de geração de 600 MW, começou a produzir energia para o Sistema Interligado Nacional (SIN). De acordo com os diretores da Norte Energia, os linhões que hoje existem só suportam a geração da primeira turbina e, conforme programação da empresa, a cada dois meses, uma nova turbina será posta em funcionamento até janeiro de 2019, quando a 18º turbina da Casa de Força Principal entrar em operação.

Caso o governo federal não intervenha o mais breve possível, o senador Flexa Ribeiro teme que aconteça com Belo Monte o mesmo que ocorreu com o Parque Eólico localizado na região Nordeste. “Por falta das linhas de distribuição, a geração estava sendo desperdiçada. O mesmo poderá vir a acontecer em Belo Monte caso os linhões de Belo Monte não fiquem prontos imediatamente”, enfatizou o senador.

Além de tratar da imediata construção das linhas de distribuição no Brasil, em especial em Belo Monte, a audiência pública também deverá buscar uma solução para resolver o problema da indústria brasileira elétrica e eletrônica, que fecharam contratos de fornecimento de equipamentos com a Abengoa, iniciaram a produção dos equipamentos contratados e por se tratarem de artefatos específicos, seguindo os critérios exigidos em contrato, não podem ser utilizados em outras obras, a não ser naquela para a qual foram previstos. “A indústria brasileira está preocupada com a dificuldade da Abengoa. Temem entrar em colapso financeiro se não tiver, por parte do governo federal, uma intervenção para que as novas empresas que assumam a construção das linhas de distribuição mantenham os contratos já firmados”, reforçou Flexa.

A data da audiência pública ainda será agendada pela Comissão de Infraestrutura do Senado Federal, que convidará o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga;  diretor-presidente da Aneel, Romeu Rufino; presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, Humbero Barbato; presidente executivo da Associação Brasileira do Alumínio, Milton Rêgo; presidente da Associação Brasileira de Construção Metálica, César Bilíbio; e o diretor geral da Abengoa, Luis Solaro Mascari.