Mais Lidas

Máscara Negra

Sede da Polícia Federal, em Brasília, corre grande risco

Edifício de 11 andares não tem escada de emergência

acessibilidade:

O edifício sede da Polícia Federal, no Setor de Autarquias Sul, conhecido como Máscara Negra, atualmente corre um grande risco. O prédio, onde trabalham 1.488 servidores – entre delegados, policiais e agentes administrativos – distribuídos em 11 andares, não tem escada de emergência e, segundo informações, estava até pouco tempo sem alarme de incêndio. A situação é denunciada pelos próprios delegados, que alertam para o perigo de um possível incêndio.

Um delegado que trabalha no prédio, mas prefere não se identificar, sente receio. “Imagina se um prédio desse tamanho pega fogo? Dependendo do andar, morre mais da metade das pessoas”, alerta. O profissional também revela outros detalhes do prédio. Os vidros do sexto andar estão trincados, como mostram imagens feitas pelo Diário do Poder. A PF então isolou a área do térreo com cones para evitar que as pessoas que passem pelo local não sejam atingidas por algum caco de vidro que possa cair – ou até mesmo a janela inteira.

Outro delegado que atualmente trabalha na Superintendência Regional da PF em Brasília, no Setor Policial Sul, mas que passou três anos na Sede, comenta que realmente não há escada de emergência, apenas escadas normais e saídas no meio do prédio. "A falta de escadas de incêndio, de acessibilidade e os vidros da fachada caindo colocam a Sede da PF em situação de calamidade", abordou.

Simulado de incêndio virou piada entre os servidores do prédio. Foto: Elijonas MaiaEm 29 de janeiro deste ano houve um simulado de incêndio no prédio. Os servidores saíram do edifício para receber instruções de como e por onde sair em casos de emergência. A ação virou chacota entre os delegados. "Pra quê fazer isso? Em um incêndio não vai adiantar nada", disse um. "Isso está muito engraçado", emendou outro.

Representando a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), o delegado Luciano Leiro reconhece o perigo. "Eu não sou especialista no assunto, mas entendo que uma falta de escada de incêndio traz um grande risco aos servidores da Polícia Federal. Nosso prédio é muito antigo. Alguns andares estão com piso descolando, que podem ocasionar queda. Nós não temos hoje garagem para as viaturas da PF. Grande parte dos carros precisa ficar fora do prédio e todos os dias à noite são amontoados no pequeno espaço que fica dentro da garagem. Também não temos restaurante, heliporto, stand de tiros", declarou.

Para o delegado, a solução seria colocar em prática o projeto da nova sede da PF, na Asa Norte, que está no papel há quase uma década. "Enquanto isso, temos um projeto com uma belíssima maquete que ficou longos anos exposta na entrada da sede, mas que hoje está escondida. Há anos o projeto para a nova construção já possui autorização pra ser levantado, sem impedimento algum. Mas até hoje não saiu. Lá terá garagem, berçário e locais para capacitação. É um prédio inteligente. Mas acredito que não foi pra frente ainda por falta de dinheiro e recurso na PF", detalhou.

“Com isso não tenho dúvidas de que a concretização da autonomia da PF ajudará em muito que esse prédio e outras delegacias pelo país que precisam de reforma e reparos vão ter solução. De fato, a autonomia é um ponto importante para que assim a gente avance nessa questão financeira”, argumentou.

Entenda mais

Maquete da nova sede da PF está guardada no subsolo do prédio. Foto: Elijonas MaiaA Polícia Federal pagou R$ 3 milhões para uma construtora desenvolver o projeto da nova sede, mas a ideia não saiu do papel até então. A maquete do complexo está exposta no subsolo do prédio sede e chama atenção por ser um projeto inovador. No entanto, como o projeto foi feito há anos, ele tem prazo de validade. E se não for colocado em prática depois de algum tempo o governo terá que liberar mais verba para fazer outro. Praticamente jogar dinheiro fora.

Mais um medo dos delegados: perder o espaço cedido pelo Governo do Distrito Federal para a construção da nova sede da Polícia Federal no Setor de Autarquias Norte, ao lado do recém-inaugurado prédio da Defensoria Pública da União. O local pode ser colocado à venda para outros interessados, entre eles, construtoras e empresas públicas que brigam pela área nobre.

A presidente do Sindicato dos Delegados da PF, Viviane da Rosa, acredita que a PF pode ficar sem a região por falta de dinheiro. "Essa situação se deve fundamentalmente pela falta de liberação de recursos por parte do governo federal. É a prova, mais uma vez, da necessidade de autonomia orçamentária para a Policia Federal", argumentou a delegada.

O outro lado

Por causa dos vidros trincados nas janelas do sexto andar, a PF isolou a área. Foto: Elijonas Maia

A reportagem procurou o Corpo de Bombeiros do DF e a Defesa Civil. A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, da Secretaria da Segurança Pública do GDF informou que as vistorias de edificações feitas pela Defesa Civil acontecem somente mediante solicitação (para obtenção de alvarás, entre outros) ou por meio de denúncias. No caso do edifício sede da Polícia Federal, o major Lopes disse enviará uma equipe ao local até hoje (5) à tarde para verificar a situação das janelas, bem como de outras estruturas do prédio. Sobre o sistema de combate a incêndio a demanda foi encaminhada para o Corpo de Bombeiros.

O tenente-coronel Alan, comandante do Centro de Comunicação Social do CBMDF, comentou que após consulta ao setor responsável, o edifício está com processo de adequação de estrutura, em que consta a exigência da escada de emergência, assunto que é tratado com a Divisão de Engenharia da Policia Federal. Em relação aos perigos neste prédio, a corporação não se pronunciou. O Corpo de Bombeiros também não informou quando foi a última vistoria realizada na sede da PF.

Em nota, a assessoria de imprensa da Polícia Federal informou que com relação aos supostos problemas com alarmes de incêndio, a instituição reafirma que os equipamentos estão todos em perfeita regularidade e em pleno funcionamento, ao contrário do que foi informado pelos servidores.

Sobre a escada de incêndio, a PF reconheceu o problema e disse que constatação já foi efetivada pelo Corpo de Bombeiros e o setor responsável tomou as devidas providências necessárias para a instalação do equipamento, que deverá ser iniciada ainda em 2016. Em relação aos vidros trincados, a Polícia Federal explicou que tem realizado a troca de alguns vidros, iniciada no mês passado, como parte dos procedimentos de manutenção do prédio.

Agora vai?

A nova sede da PF, na Asa Norte, já está com orçamento liberado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para ser construída a partir de 15 de novembro deste ano. O relatório do MPOG aponta que o valor destinado à obra será de R$ 290 milhões, a qual deverá ser finalizada em 31 de dezembro de 2020, para a alegria da categoria.