Mais Lidas

O céu é o teto?

Procuradores ganham R$121 mil por mês graças a penduricalhos

Salário bruto de R$28 mil chega a R$121 mil, revela jornal

acessibilidade:

A soma dos vencimentos a auxílio-moradia, verba para alimentação e ajudas de custo até quadruplicam a remuneração de procuradores do Ministério Público Federal, levando-os a receber R$121 mil por mês, já descontados imposto de renda e contribuição ao INSS. Do total do autêntico salário de marajá, R$96 mil representam apenas os penduricalhos, que colocam os vencimentos dos procuradores várias vezes acima do teto constitucional dos vencimentos de  ministros do Supremo Tribunal Federal. O levantamento foi publicado na edição desta segunda-feira (26) do jornal Valor Econômico.

Os penduricalhos não são considerados para eferito de comparação ao teto salarial do funcionalismo público, e representam 30,4% do gasto com folha dos servidores ativos do Ministério Público Federal. A regra garantindo salários anuais milionários no serviço público também vale para o Judiciário, com anuência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

Em outubro, por exemplo, os 1081 procuradores e subprocuradores federais na folha de pagamento do Ministério Público receberam, ao todo, R$ 31,6 milhões, já considerando os descontos obrigatórios. As indenizações e outras remunerações foram de R$ 13 milhões no mês, o que representou 41,1% da remuneração líquida recebida por esses servidores no período.

Por causa das indenizações, entre 10% e 20% dos procuradores ganham, todos os meses, mais do que o teto constitucional, dado pelo salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal, de R$ 33,7 mil. O Valor identificou que alguns procuradores chegam a ganhar mais de R$ 120 mil em um único mês, embora o salário bruto da categoria seja, em média, de R$ 28 mil.

Esse cenário só é possível por causa das "indenizações", que têm sido usadas como alternativa nas negociações salariais para furar o teto remuneratório do funcionalismo público. Por e-mail, a assessoria de imprensa afirmou que as parcelas pagas aos membros e servidores do Ministério Público Federal em caráter indenizatório não estão sujeitas à retenção do teto constitucional, de acordo com resolução de 2006 do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Além de auxílio-natalidade, alimentação, mudança, abono pecuniário, auxílio pré-escolar e conversão de licença-prêmio em pecúnia, recentemente os procuradores passaram a receber também R$ 4.377,00 de auxílio-moradia, concessão regulamentada pelo CNMP depois que o ministro do STF, Luiz Fux, estendeu o benefício para todos aqueles que moram em cidades sem apartamento funcional disponível. Diárias e passagens também entram nessa conta.

A regra também vale para o Judiciário, com anuência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o que faz que a situação se repita entre os magistrados. De acordo com levantamento do professor Nelson Marconi, da Fundação Getulio Vargas (FGV), boa parte dos desembargadores também ganha acima do teto constitucional em São Paulo, Minas e Rio, por exemplo."