Mais Lidas

Corrupção, extorsão...

Polícia Federal prende ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho

PF investiga corrupção e financiamento ilegal de campanha

acessibilidade:

A Polícia Federal (PF) de Campos, no norte do Rio de Janeiro, prendeu o ex-governador do Estado Anthony Garotinho e sua esposa, Rosinha Garotinho, em operação deflagrada na manhã desta quarta-feira, 22.

O casal é acusado de integrar uma organização criminosa que arrecadava recursos de forma ilícita para financiar campanhas eleitorais.

Garotinho e Rosinha estão na Superintendência da Polícia Federal em Campos. Outro alvo da operação é o ex-secretário de governo de Rosinha Fábio Bastos.

O presidente nacional do PR, ex-ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, tem um mandado de prisão contra ele. Segundo a investigação da PF, ele intermediou o repasse à campanha de Garotinho em 2014.

Rosinha e Garotinho são acusados de corrupção passiva, extorsão, lavagem de dinheiro e pelo crime eleitoral de omitir doações nas prestações de contas.

Segundo o Ministério Público Eleitoral, a organização criminosa ainda está ativa, intimidando testemunhas e tentando obstruir as investigações.

Em nota, a defesa de Anthony Garotinho voltou a dizer que ele é vítima de uma 'perseguição por ter denunciado um esquema envolvendo o ex-governador Sérgio Cabral na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e irregularidades supostamente praticadas pelo desembargador Luiz Zveiter'. Garotinho se diz inocente, assim como os demais acusados na operação desta quarta-feira, e ainda diz que é ameaçado pelo presidente afastado da Alerj, Jorge Picciani, que ontem voltou à cadeia de Benfica.

Delação

O diretor de Relações Institucionais da JBS Ricardo Saud afirmou à PF que repassou R$ 2,6 milhões à campanha de Garotinho em 2014, via caixa 2.

O dinheiro seria parte de um montante de R$ 20 milhões que a empresa usaria para comprar apoio do PR ao PT nas eleições daquele ano.

Operação Chequinho

Réu na Operação Chequinho, Garotinho chegou a ir ser preso no dia 16 de novembro do ano passado por fraudes. A PF investiga o uso do programa social Cheque Cidadão para a compra de votos na cidade de Campos dos Goytacazes, no norte do Estado do Rio.

No início de junho, o Ministério Público (MP) pediu a prisão do ex-governador, após a testemunha-chave da Operação Chequinho, Elizabeth Gonçalves dos Santos, denunciar à PF ter sofrido ameaças.