Mais Lidas

Crise hídrica

Pezão promete 'medidas drásticas' se não chover no Rio

Governador diz que torce muti para chover no Rio para que falta de água não se agrave

acessibilidade:

Após reunião com a presidente Dilma Rousseff nesta quarta-feira, 28, no Palácio do Planalto, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou que vai ?torcer muito? para que comece a chover no Estado. Caso contrário, segundo ele, o governo terá de tomar medidas ?drásticas? em relação ao consumo de água no Rio, já que a situação hídrica no estado se ?agravará?.

?A gente vai intensificar o ritmo das obras [para garantir o abastecimento de água], que é o que a gente acredita. E agora é torcer muito para que comece a chover e torcer para que a gente não precise tomar outras medidas mais drásticas?, disse.

Segundo o governador, entre as medidas que chamou de drásticas é o racionamento de água, mas, “agora, não”. Pezão também descartou neste momento a cobrança de sobretaxa para quem consumir água em excesso. ?Neste momento, a gente não quer tomar nenhuma dessas medidas [sobretaxa e racionamento] porque ainda não são necessárias, mas nada está afastado. Se essa seca se prolongar em fevereiro, março, abril, que é o período de chuva no Rio, vamos tomar outras medidas, mas ainda estamos estudando. Não tenho hoje uma definição?, declarou.

O governador fluminense disse ainda que apresentou à presidente Dilma alguns projetos desenvolvidos no Estado para garantir o abastecimento de água. Mas garantiu que nenhum pedido de obra emergencial foi apresentado. E, para conscientizar a população sobre o uso de água, Pezão disse que começou a estudar uma campanha educativa para consumir menos.

?Nós vamos fazer uma grande campanha institucional. Estamos começando a pedir para as pessoas pouparem água, não esbanjarem. Vamos intensificar essa campanha enquanto tomamos diversas medidas?, afirmou o governador ao dizer que conversou com os governadores Geraldo Alckmin (São Paulo) e Fernando Pimentel (Minas Gerais) sobre ações de conscientização desenvolvidas nesses Estados.

Reportar Erro